Carlos Gregório/Vasco.com.br
Carlos Gregório/Vasco.com.br

Fellipe Bastos é suspenso por três jogos por vídeo homofóbico após título do Vasco

Volante xingou os torcedores do Fluminense durante celebração da conquista da Taça Guanabara

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2019 | 22h30

A polêmica final da Taça Guanabara - o primeiro turno do Campeonato Carioca -, realizada no último dia 17, no estádio do Maracanã, teve uma "sequência" nesta terça-feira. No plenário da 2.ª Comissão Disciplinar do Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ), três jogadores de Fluminense e Vasco, o próprio clube tricolor e seu presidente Pedro Abad foram julgados por atos cometidos antes, durante e depois da partida decisiva.

A punição mais dura foi para o volante Fellipe Bastos, do Vasco. Denunciado em razão de um vídeo com conteúdo homofóbico contra a torcida do Fluminense, gravado durante a comemoração do título da Taça Guanabara, o jogador recebeu um gancho de três partidas.

Por sua vez, Airton e Luciano, ambos do Fluminense, expulsos nos minutos finais do clássico, tiveram resultados diferentes: o volante foi suspenso por dois jogos (já cumpriu um), enquanto que o atacante, absolvido por maioria de votos.

O Fluminense e o presidente Pedro Abad também foram julgados em primeira instância pelo TJD-RJ. O dirigente, denunciado pela confusão nos arredores do estádio, recebeu uma pena de 30 dias de suspensão. O clube, que corria remotas chances de ser excluído do Campeonato Carioca por acionar a Justiça comum antes de esgotar as esferas desportivas, foi apenas multado em R$ 60 mil ao todo.

Pedro Abad não compareceu ao julgamento, segundo a assessoria de imprensa do Fluminense, porque tinha marcado um compromisso oficial do clube no exterior que já estava previamente agendado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.