Ferdinand é cortado e tem volta à seleção inglesa adiada

O técnico Roy Hodgson anunciou nesta segunda-feira que o zagueiro Rio Ferdinand, do Manchester United, foi cortado da lista de convocados da seleção inglesa para os jogos contra San Marino e Montenegro, respectivamente nos dias 22 e 26 de março, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. O treinador disse que acabou descartando a presença do experiente defensor de 34 anos dos confrontos porque ele será incapaz de seguir, na equipe nacional, o seu "programa de treinamento físico e médico pré-planejado" pelo seu clube.

AE-AP, Agência Estado

18 de março de 2013 | 11h37

Ferdinand, que foi substituído nesta segunda por Steven Caulker, do Tottenham, afirmou que pretende voltar a defender a seleção inglesa e estará à disposição para futuras partidas neste ano.

O certo, porém, é que o jogador teve oficialmente adiado o seu retorno à seleção da Inglaterra, para o qual não era convocado desde junho de 2011. Chamado por Hodgson na última quinta-feira, Ferdinand já teve a sua volta ao time nacional colocada em dúvida pelo técnico Alex Ferguson no dia seguinte.

O comandante do Manchester United revelou preocupação em relação à condição física do zagueiro. Ele ressaltou que o atleta tem um longo histórico de problemas desta ordem em sua carreira e admitiu temor com o excesso de partidas disputadas por Ferdinand, lembrando que há um planejamento traçado há bastante tempo para o defensor.

Hodgson disse que Ferdinand está "fora desta vez devido a detalhes particulares pré-planejados já existentes para o seu programa". Curiosamente, porém, o próprio Ferguson afirmou no último sábado, após vitória por 1 a 0 sobre o Reading, pelo Campeonato Inglês, que o zagueiro iria se apresentar à seleção inglesa. Naquele confronto, inclusive, o jogador fez grande jogada no lance que resultou no gol de Wayne Rooney.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolInglaterraRio Ferdinand

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.