Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Feriado em Belo Horizonte não se deve a protestos, diz prefeito

Márcio Lacerda disse que o feriado de já havia sido acertado com o comércio e a rede de ensino

SILVIA VOLPINI, Agência Estado

25 de junho de 2013 | 18h25

SÃO PAULO - O prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), negou que tenha decretado feriado municipal nesta quarta-feira por conta do protesto marcado para a cidade para o mesmo horário da partida entre Brasil e Uruguai, pela semifinal da Copa das Confederações. O prefeito disse que o feriado de já havia sido acertado com o comércio e a rede de ensino e dependia apenas da classificação da seleção brasileira para a semifinal da competição. Apesar de a decisão ter sido tomada com antecedência, o decreto só foi publicado nesta terça no Diário Oficial do Município.

Em entrevista à Agência Estado, Lacerda disse não acreditar que o dia livre aumentará a adesão aos protestos. Mesmo assim, a prefeitura suspendeu a transmissão da partida na Praça da Estação, na região central, para deslocar o policiamento para o entorno do Estádio do Mineirão.

"Com as pessoas em suas casas por conta do feriado, haverá menos gente nas ruas, circulando no centro, e isso vai facilitar o trabalho da polícia de identificar os vândalos e baderneiros", afirmou o prefeito, reiterando que a depredação ocorrida na manifestação do último sábado na capital mineira "não pode ser tolerada novamente". Ele disse ainda que medidas de segurança já foram definidas para esta quarta-feira e que o policiamento está devidamente instruído. "Todos os órgãos estão bem preparados e de forma coordenada".

Belo Horizonte tem sido palco de violentos protestos nas últimas semanas. No último sábado, quando Japão e México se enfrentaram no Mineirão, mais de 60 mil fizeram um protesto nas proximidades do estádio. Um grupo de vândalos depredou lojas e prédios públicos. Segundo a PM, 22 pessoas foram presas. Para esta quarta-feira, vários eventos estão sendo programados pelas redes sociais, o maior deles já tem 57 mil confirmações de presença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.