Ferido, Santos joga por Oswaldo

O Santos enfrenta neste domingo o América e essa partida está sendo aguardada com grande expectativa pelos jogadores e comissão técnica, que temem manifestações hostis contra as más atuações nas últimas partidas. Oswaldo de Oliveira deverá ser o alvo principal e sabe que sua permanência no cargo nesse período de turbulência depende de convincentes vitórias.Se os torcedores pedem um novo técnico, Oswaldo tem o grupo de jogadores fechado em torno de seu nome. O goleiro Mauro acha que a forma de os jogadores ajudarem a reverter essa situação é jogando bem. "O que podemos fazer é dentro de campo: temos de conseguir um resultado positivo, que sempre causa satisfação". Admite que "o treinador está sempre na berlinda, mas ele tem total confiança do grupo, que vai fazer de tudo para conseguir a vitória e dedicá-la ao Oswaldo".O capitão e líder desse grupo é o meia Ricardinho, um dos responsáveis pela contratação do treinador. "Nós temos a nossa responsabilidade e temos de assumi-la". Segundo ele, são os jogadores que vêem as dificuldades dentro de campo. "O treinador tem seu trabalho até certo ponto, mas a partir daí, começa nossa responsabilidade e nós é que temos de modificar as coisas em campo".Para Deivid, a pressão que os torcedores fazem na Vila Belmiro não é novidade. "Já tinha encarado essa pressão em 2001 e para mim é normal. Tomara que os jogadores que não estejam acostumados a ela tenham tranqüilidade". Bóvio acha normal e entende que um jogador que atua numa equipe como o Santos tem de estar acostumado a isso. O que sabe, porém, é que "com ou sem pressão, temos de ganhar de qualquer maneira".O experiente Ricardinho destaca que a única preocupação de seu time deve ser o América. "O jogo é uma decisão, precisamos vencer e, fazendo isso, estaremos satisfazendo os torcedores", disse ele, lembrando que a torcida sempre apoiou a equipe. "E o maior exemplo disso tivemos no ano passado".Time - Os jogadores aproveitaram a sexta-feira para descansar, treinaram no sábado à tarde e esperam entrar neste domingo em campo livre do desgaste físico provocado pela viagem a Quito. Os laterais Paulo César e Léo irão desfalcar novamente o time, que poderá ter a volta do volante Fabinho, que passou por uma cirurgia no joelho direito, foi liberado e vem treinando com bola.Se isso ocorrer, Bóvio passa a ser o segundo volante e Tcheco pode ir para o banco. O quarto homem do meio-de-campo poderá ser Fábio Baiano ou Fernando Diniz, mas há a possibilidade de Oswaldo de Oliveira escalar o time com três atacantes, o que só será revelado momentos antes do jogo. Giba deverá ser o lateral-esquerdo, substituindo Léo, que só voltará a jogar dentro de dez dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.