Paulo Fernandes/Divulgação/Vasco
Paulo Fernandes/Divulgação/Vasco

Ferj aponta 'omissão' da CBF com Liga Sul-Minas-Rio

Federação carioca emite nota de repúdio à CBF

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

14 de setembro de 2015 | 19h16

A Federação de Futebol do Rio (Ferj) decidiu emitir uma nota de repúdio à CBF devido ao que chamou de "omissão" da entidade em relação à Liga Sul-Minas-Rio, criada na semana passada e que conta com as presenças de Fluminense e Flamengo, que estão rompidos com a Ferj. Presente a uma reunião realizada na tarde desta segunda-feira, o presidente do Vasco, Eurico Miranda, disparou contra a CBF. Ele citou a "fragilidade" da entidade comandada por Marco Polo Del Nero, afirmou que ela está "empurrando o problema com a barriga" e, sem citar nomes, criticou o presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim de Padua Peixoto Filho, que apoia a liga.

A reunião durou quase quatro horas e contou com a presença de 14 dos 16 clubes que disputarão o Campeonato Carioca do próximo ano. Flamengo e Fluminense não foram convidados. Durante o encontro, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, ligou para Del Nero informando sobre a elaboração da nota de repúdio, assinada por todos os presentes. O próprio Rubens Lopes levará o documento a Del Nero e entregará em mãos.

Na saída, Eurico Miranda demonstrou todo o seu descontentamento com a criação da Liga e, sobretudo, com a promessa de um torneio já no próximo ano. E o dirigente demonstrou irritação com a CBF. "Está saindo uma nota de repúdio em relação à posição da CBF, porque a CBF foi omissa em relação a se posicionar contra a transgressão clara de seu estatuto e do estatuto da federação (do Rio)", declarou.

"O estatuto da CBF é claro quando fala que só pode ter as competições que estejam inseridas no calendário da CBF. Ele foi publicado, inventaram a situação de uma liga e a CBF fica dizendo que não vai ter, que não sei o quê...", disse Eurico. "Uma posição pessoal minha: falam da fragilidade da CBF, mas nós não temos que saber o que é a fragilidade da CBF. Nós temos que saber é que na verdade isso que está sendo feito está causando prejuízo a 14 clubes que disputam a Série A do Campeonato Carioca."

Eurico Miranda foi além. "Essa história de que vai ser jogado no meio do campeonato e com time misto, isso é algo que já deveria ter merecido, por parte da CBF, o repúdio necessário, dizendo claramente que é inadmissível. Se quer criar liga (que se crie), mas não este ano. Este ano é impossível."

O dirigente vascaíno reclamou ainda que a "se a CBF está fragilizada, ela não pode atingir os outros clubes". E tornou a falar em omissão, palavra que, segundo o dirigente, estará na nota que será entregue por Rubens Lopes. "A CBF parece que ignora a existência desses clubes (do Carioca). É pela legalidade absoluta é que nós nos insurgimos. Não tem justificativa para essa posição da CBF de empurrar com a barriga."

Por fim, Eurico também disparou contra Delfim Peixoto. "Eu não consigo entender como tem um vice presidente que é contra o presidente, que se diz contra o presidente, faz campanha contra o presidente e continua lá. Eu não consigo entender. Daí posso esperar tudo. O que falta é que o poder efetivo seja exercido na CBF. Se não exerce porque tem compromisso aqui ou acolá, aí não é problema meu."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFerjLiga Sul-Minas-Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.