Fernandão deixa time do Catar e quer voltar ao Brasil

São Paulo, Palmeiras e Corinthians demonstraram interesse na contratação do ex-jogador do Internacional

MARCIUS AZEVEDO, Agencia Estado

30 de julho de 2009 | 22h55

Após uma novela que durou quase um mês, o atacante Fernandão, enfim, acertou nesta quinta-feira a sua rescisão de contrato com o Al-Gharafa, do Catar. Livre para negociar com outra equipe, o jogador mais cobiçado do mercado nacional tem duas ofertas para continuar por lá, mas o retorno ao Brasil parece seduzi-lo mais do que os dólares dos árabes.

 

Veja também:

especialAs notícias do mercado do futebol

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"A tendência é ele voltar", confirmou Paulo Roberto à Agência Estado. O ex-lateral-direito e hoje empresário trabalha com Taffarel, que está em Doha desde o último dia 10. "Ele ficará no Catar até domingo para ver se o dinheiro vai cair. Aí marcará o retorno. Acredito que quarta ou quinta, ele estará no Brasil".

Em relação ao futuro, Paulo Roberto adota cautela, mas confirma que o seu telefone não para de tocar. Eram ligações de pessoas que se diziam representantes de Palmeiras, São Paulo, Corinthians... "Mas só aceitamos negociar com o clube diretamente. Sei muito bem quem me ligará do São Paulo, do Palmeiras".

O ex-lateral também aproveitou para negar que o Internacional tenha prioridade na contratação. A declaração partiu de Fernando Carvalho, atual vice de futebol e presidente quando o jogador passou pelo Beira-Rio. "Não há prioridade. O que existe é o carinho do jogador pelo clube", explicou Paulo Roberto. "O que o Fernandão quer é um time que tenha projeto ambicioso, que ele possa brigar por títulos, que possa jogar a Libertadores e, quem sabe, voltar para o Mundial", completou o empresário, referindo-se aos títulos que Fernandão conquistou com o Inter em 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.