Darren Staples/Reuters - 14/12/2013
Darren Staples/Reuters - 14/12/2013

Fernandinho surfa a boa onda do Manchester City

Eleito pela torcida o melhor jogador do time em dezembro, volante ainda sonha com a seleção

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

11 de janeiro de 2014 | 05h01

SÃO PAULO - A sede de gols demonstrada pelo Manchester City no Campeonato Inglês fez o mundo olhar com mais atenção para a equipe azul. Com 57 gols em 20 rodadas - média de 2,85 por partida -, o time comandado pelo chileno Manuel Pellegrini tem o ataque mais positivo entre as 114 equipes que disputam os seis principais campeonatos nacionais da Europa.

Muito por causa desse poderio ofensivo, o City está invicto desde o dia 10 de novembro (12 vitórias e dois empates, incluindo jogos do Campeonato Inglês, da Liga dos Campeões, da Copa da Inglaterra e da Copa da Liga Inglesa). E um brasileiro tem se destacado na ótima fase do City. É o volante Fernandinho, comprado em junho do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por € 40 milhões (R$ 130 milhões), em uma das 30 transferências mais caras da história.

Em votação no site do clube, ele foi eleito o melhor jogador do time no mês de dezembro. Teve grande peso na escolha dos torcedores a sua atuação na goleada por 6 a 2 sobre o Arsenal, no dia 14. Fernandinho aproveitou dois erros da defesa do time de Londres para marcar belos gols. A vitória não permitiu que o Arsenal disparasse na ponta da tabela e colocou o City, que neste domingo vai enfrentar o Newcastle, na cola do adversário. Neste sábado, a distância entre as duas equipes é de apenas um ponto (45 a 44). O Arsenal pegará na segunda o Aston Villa.

"Estamos no nosso melhor momento da temporada. O time encontrou uma forma legal de jogar e equilíbrio. Nossa grande dificuldade era jogar fora de casa, mas agora conseguimos mudar isso e conquistamos vitórias importantes", disse Fernandinho ao Estado.

Mesmo gastando £ 100 milhões (R$ 392,9 milhões) na janela de transferências do meio do ano passado, o City mudou o perfil das contratações. A diretoria desistiu de investir em um ou dois nomes de peso para adquirir jogadores que melhor se encaixariam no esquema de Pellegrini, contratado para substituir Roberto Mancini, demitido após perder a Copa da Inglaterra para o Wigan. Junto com Fernandinho, chegaram Stevan Jovetic (ex-Fiorentina), Jesús Navas e Negredo (ambos ex-Sevilla).

"A diferença agora é que contrataram jogadores para formar um grupo, e não apenas um ou dois atletas para elevar o nome do clube. Time que quer ganhar título tem de ter um elenco bom, e não apenas 11 titulares. Quando sai um jogador, quem entra não deixa a peteca cair", diz Fernandinho.

Os resultados da mudança no perfil dos reforços já começaram a aparecer. Pela primeira vez na história, o City foi às oitavas de final da Liga dos Campeões - vai enfrentar o Barcelona em fevereiro. "A forma como disputamos a primeira fase nos dá ainda mais confiança para o mata-mata. Nesta temporada, temos a possibilidade de colocar o nome do City na história."

Em seis jogos da fase de grupos, o time inglês ganhou cinco e perdeu um. As partidas de maior destaque foram os triunfos sobre Bayern de Munique (3 a 2) e CSKA Moscou (5 a 2).

COPA DO MUNDO 

A boa fase faz Fernandinho sonhar com a chance de voltar à seleção. Com Mano Menezes, o volante foi titular em cinco jogos, mas não é convocado desde fevereiro de 2012, quando participou de um amistoso contra Bósnia-Herzegovina. "Vi a declaração do Felipão de que ele iria acompanhar alguns jogadores que atuam na Europa e torço para que ele tenha visto alguma partida do Manchester City. Muitos jogadores me perguntam porque não estou na seleção. Eles estão acompanhando de perto o meu desempenho e ficam surpresos de eu não ser convocado."

No dia 12 de fevereiro, Felipão divulgará os convocados para o amistoso de 5 de março contra a África do Sul, em Johannesburgo. Será o último jogo da seleção antes do anúncio da lista da Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.