Alex Silva / Estadão Conteúdo
Alex Silva / Estadão Conteúdo

Fernando Diniz elogia postura são-paulina no clássico: 'Time me agradou bastante'

Técnico acredita que, no jogo com o Palmeiras, time converteu chances que desperdiçou contra Inter, Coritiba e Santos

Redação, Estadão Conteúdo

11 de outubro de 2020 | 05h00

Finalmente os jogadores do São Paulo conseguiram deixar Fernando Diniz plenamente satisfeito. Se depois dos 3 a 0 sobre o Atlético-GO ele "achou erros", desta vez a apresentação foi aprovada e rendeu elogios. Diniz havia dito que o goleiro Tiago Volpi não podia trabalhar tanto durante os jogos. E cobrou melhor desempenho defensivo. Foi atendido nos 2 a 0 sobre o Palmeiras, neste sábado, no Allianz Parque, pelo Brasileirão. E comemorou bastante.

"Hoje jogamos bem e tivemos o jogo sob controle, a característica principal do time. De forma plena. Foi um jogo com poucos erros e que me agradou bastante", enfatizou o treinador, feliz da vida. "Fizemos os gols e criamos outras chances. Fomos equilibrados, fizemos as transições e nos defendemos bem."

Diniz aproveitou o resultado bom para fazer um desabafo. Para ele, muitas das cobranças  são injustas. Ele acha que está pagando pelas derrotas contra Mirassol (Paulistão) e Binacional (Libertadores). E pelo fato de querer fazer coisas diferentes.

"A maioria dos jogos estamos indo bem. Mas pesam as derrotas para o Mirassol e o Binacional. A cobrança sendo respeitosa, está valendo. Temos de conviver e absorver", disse. "Contra o Palmeiras concretizamos as chances em gols, diferentemente dos jogos contra Inter, Santos e Coritiba."

A bronca do treinador tem fundamento. Nos três empates que ele martela como "resultados injustos", realmente o São Paulo criou bastante e não fez os gols. E nisso que ele promete insistir para o São Paulo brigar por coisa grande ainda nesta temporada. "Não existe time perfeito que vai acertar tudo. Mas não podemos achar que tudo está certo. Sempre tem o que melhorar", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.