Vitor Silva/BFR
Vitor Silva/BFR

Saiba quem é Fernando Marçal, lateral de 33 anos que o Botafogo contratou do Wolverhampton

Jogador brasileiro assina com o alvinegro carioca até o final de 2023

Redação, Estadão Conteúdo

16 de junho de 2022 | 15h36

Em meio a uma crise que envolve até a polícia, o Botafogo anunciou nessa quinta-feira a contratação do lateral-esquerdo Fernando Marçal, de 33 anos. O contrato vai até o fim de 2023. Esse será o terceiro clube brasileiro que o atleta defenderá em sua carreira. Após começar no Grêmio e jogar pelo Guaratinguetá, Marçal construiu sua carreira no futebol europeu. Defendeu Torrense, Nacional e Benfica (Portugal), Gaziantepspor (Turquia), Guingamp e Lyon (França), e, mais recentemente, o Wolverhampton, da Inglaterra. Na última temporada, jogou 19 vezes pela equipe inglesa.

Marçal será inscrito no Campeonato Brasileiro com a camisa 21. Ainda não há data prevista para a sua estreia. O lateral chega ao Botafogo em um momento conturbado da equipe carioca, que vem de uma sequência de tropeços. Ele só poderá atuar após a abertura da janela europeia, em julho, e quando sua documentação for regularizada.

"Em casa, com a camisa mais tradicional do futebol. Seja bem-vindo, Marçal", deu o Botafogo as boas-vindas ao reforço, que já vestiu a camisa oficial e conheceu o Engenhão. O anúncio da contratação ocorre após uma ação do clube que prometia um novo atleta caso alcançasse os 40 mil sócios no programa do torcedor. A diretoria promete novas contratações para amenizar a crise no clube, que amarga a parte enferior da tabela no Brasileirão.

Marçal já foi aprovado nos exames médicos do clube e trabalha com os novos companheiros. Ele apenas aguarda uma data oficial para ser apresentado aos torcedores.

Caso de polícia

Por causa dos maus resultados que fez o clube entrar na zona de rebaixamento, torcedores invadiram o Centro de Treinamento depois de render um segurança, segundo boletim de ocorrência registrado na polícia pela diretoria. Essa é a primeira grande crise no Botafogo desde que virou SAF (Sociedade Anônima do Futebol) e passou a ser administrado pelo americano John Textor. Em nota, o Botafogo afirmou que os jogadores e funcionários foram ameaçados e hostilizados.

"É inadmissível (o que aconteceu) e o Botafogo não vai aceitar este tipo de ocorrência. Assim como sabe que os envolvidos não representam a torcida alvinegra", informou em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.