Ferreira já deu treino no Paulista

A diretoria do Paulista não quer correr risco de ser rebaixada para a Série A2 - Segunda Divisão - em 2004, tanto que não economizou, literalmente, esforços para contratar o substituto de Edson Gaúcho, demitido após a derrota para o América, por 3 a 2, sábado, em São José do Rio Preto. O novo técnico é Luiz Carlos Ferreira, que recentemente levou o Santo André às quartas-de-final do Campeonato Paulista. O acordo foi bastante salgado. O técnico vai receber perto de R$ 200 mil para manter o time na elite paulista. O acordo foi fechado depois de várias rodadas de negociações em pleno domingo de carnaval na cidade de Leme, onde mora o técnico. Ele comandará o Paulista em cinco jogos, o primeiro deles contra a Portuguesa de Desportos, quarta-feira, em Jundiaí. Ferreira foi apresentado aos jogadores nesta segunda-feira cedo, ao lado do preparador físico Stélio e do auxiliar Adair, ambos ex-jogadores do próprio clube. A missão do novo técnico é salvar o time do rebaixamento. A Repescagem reúne 12 clubes divididos em dois grupos. Os times do Grupo 1 enfrentam o do Grupo 2 em turno único, portanto, em seis jogos. Ao final da disputa, o time que tiver pior aproveitamento será rebaixado automaticamente. O penúltimo colocado ainda terá a chance de continuar no Paulistão desde que vença o confronto, em dois jogos, com o vice-campeão da Série A2. Ferreira é um velho conhecido no clube. Dirigiu o time por quase dois anos entre 2000 e 2002, quando a equipe ainda se chamava Etti Jundiaí e era administrada pela multinacional Parmalat. Na temporada passada, Ferreira conquistou o título do primeiro turno com o Santo André e foi vice-campeão estadual com o União São João. Depois levou o Marília ao acesso à Série A1 e ao vice-campeonato brasileiro da Série C. Além do técnico, a principal novidade do Paulista contra a Portuguesa será o retorno do veterano volante Vágner Mancini, de 35 anos, que estava suspenso. Revelado pelo Gaurani ele já atuou em vários clubes do Brasil, entre eles a própria Lusa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.