Ferreira pede demissão no Santo André

A reação do Santo André no segundo tempo não foi suficiente para evitar a derrota para o Corinthians, por 3 a 2, neste domingo à noite, no estádio "Bruno José Daniel". Desgastado pelos maus resultados, o técnico Luiz Carlos Ferreira resolveu tomar uma atitude que já vinha sendo amadurecida desde o início da semana: pediu demissão. "Hoje em dia é muito difícil dirigir o Santo André. Há uma inversão de valores, certamente por causa da conquista do título da Copa do Brasil. Então, às vezes, me sentia muito cansado. Esta foi a quinta vez que voltei para o clube, onde sempre fui unanimidade. Mas desta vez foi diferente, com muitas cobranças. Hoje, por exemplo, nós perdemos para o Corinthians, o que é um resultado normal", explicou o técnico. Ele não quis se prolongar nas explicações, mas deixou claro que pensava diferente da diretoria. Nos vestiários, Ferreira deixou os dirigentes à vontade. E percebeu que era o momento de sair, "porque assim deixo amigos e as portas abertas". Em crise, o elenco vai seguir sua programação e nesta segunda-feira viaja para Jarinu, distante 70 quilômetros de São Paulo, onde ficará concentrada até antes do jogo com o Palmeiras, quarta-feira, no Parque Antártica, pela Taça Libertadores da América. Até agora o time do ABC soma apenas um ponto em dois jogos, tendo empatado, em 2 a 2, com o Cerro Porteño, também em casa. O time será dirigido, interinamente, por Sérgio Soares, auxiliar-técnico. Vários titulares podem voltar contra o Palmeiras, como os zagueiros Da Guia e Dedimar, além do meia Fernando Fumagalli e do atacante Sandro Gaúcho. Esta foi a terceira derrota consecutiva do Ramalhão dentro de casa no Paulistão. Antes tinha caído diante do União São João, por 3 a 2, e contra o São Caetano, por 1 a 0. Estas derrotas também comprometeram a campanha, da quarta para a sexta posição, com 20 pontos. Seu próximo adversário será a Portuguesa Santista, sábado, em Santos. Após a derrota, Ferreira achou melhor reconhecer a capacidade dos adversários. "É um time fantástico, repleto de jogadores talentosos. Alguns deles, como Roger e Tevez, brilharam e não foi possível evitar a derrota, mesmo porque estávamos com seis desfalques", disse Ferreira. Ele, porém, considerou relevante o bom futebol do segundo tempo e a reação no final do jogo, quando seu time marcou dois gols, aos 36 minutos com Ramalho e aos 40 com Leandrinho. "O Corinthians relaxou e se tivéssemos mais uns cinco minutos, poderíamos ter empatado", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.