Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Ferroviário perde para o Treze, mas fatura o título da Série D

Time cearense leva o título da quarta divisão mesmo com derrota por 1 a 0

Estadão Conteúdo

04 Agosto 2018 | 21h01

De nada adiantou a torcida do Treze lotar o Estádio Amigão, em Campina Grande (PB). Apesar dos gritos de "Eu acredito!", o time paraibano não conseguiu inverter a desvantagem do jogo de ida e viu o Ferroviário ser campeão do Campeonato Brasileiro da Série D. Neste sábado, o time da casa até venceu por 1 a 0, mas foi insuficiente para impedir que o clube cearense conquistasse o primeiro título de campeão nacional de 2018 no Brasil, pois havia triunfado no primeiro duelo por 3 a 0.

+ Fortaleza vence Coritiba e fecha turno na liderança isolada da Série B

A grande vitória no primeiro jogo, realizado na segunda-feira, no Castelão, em Fortaleza, deu muita tranquilidade ao Ferroviário. Sem arriscar-se, controlou a vantagem o tempo todo e em momento algum correu o risco de sofrer a virada.

O título coloca o Ferroviário na história do futebol cearense. Afinal, é a primeira vez que um clube de Fortaleza conquista um título nacional. Embora sejam mais tradicionais, Ceará e Fortaleza nunca conseguiram tal feito em qualquer uma das divisões. Além disso, encerra jejum de 23 anos sem uma taça. A última havia sido a do estadual de 1995.

Apesar de perder o título, o Treze deixou o campo aplaudido pelos torcedores. Afinal, o time disputará a Série C em 2019, competição em que não compete desde 2014. Junto com campeão e vice, garantiram o acesso o São José-RS e o Imperatriz-MA.

Com a grande vantagem construída na ida, o Ferroviário entrou em campo todo atrás da linha da bola. Restou ao Treze assumir as rédeas da partida e tentar pressionar. A ansiedade e a pressa por marcar o primeiro gol, contudo, atrapalhou o time, que criou pouquíssimas oportunidades claras de gol.

O gol paraibano saiu apenas em um pênalti assinalado pelo árbitro Leandro Vuaden. Ele enxergou toque de mão do volante Gleidson, aos 23 minutos do segundo tempo. Dois minutos depois, Marcelinho Paraíba renovou as esperanças dos mandantes ao concluir a penalidade. Suficiente para fazer a festa da torcida, mas insuficiente para garantir a taça, que ficou com o Ferroviário.

Além disso, o gol de Marcelinho Paraíba foi histórico. Afinal, em 1975, o seu pai, Pedrinho Cangula foi o autor do primeiro gol do Amigão, sendo que agora o estádio terá o seu gramado trocado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.