Luciana Rosa
Luciana Rosa

Polícia de Paris está em estado de alerta desde as primeiras horas do dia para a final da Liga

Torcedores de Real Madrid e Liverpool fazem a festa nos locais reservados da cidade francesa, com destaque para os cerca de 70 mil ingleses presentes, nem todos com ingressos

Luciana Rosa, Especial para o Estadão, de Paris

28 de maio de 2022 | 15h34

Aproximadamente 7 mil policiais estarão de plantão para orientar os torcedores durante a final da Liga dos Campeões. Além dos milhares de torcedores que conseguiram ingressos e irão ao Stade de France, são esperados cerca de 40 mil torcedores sem ingressos apenas do Liverpool, disseram as autoridades nesta quinta-feira. No total, os ingleses devem tomar Paris com mais de 70 mil seguidores do Liverpool. Eles também são mais barulhentos do que os espanhóis, principalmente porque não ficaram com o título do Campeonato Inglês, perdido para o City.

Além disso, a prefeitura de Paris preparou zonas especiais da cidade para receber (e melhor controlar) os torcedores. No caso dos "Reds", o destino foi o largo da Cours de Vincennes, uma importante avenida no leste de Paris, a 10 quilômetros do estádio. A maioria não estará no jogo. "Queremos garantir que as coisas corram da melhor maneira possível", explicou o vice-prefeito de Paris, Emmanuel Gregoire nesta semana à France24. 

Mar vermelho e sotaque inglês tomam Cours de Vincennes

Já no metrô de Paris é possível sentir o clima da decisão entre Liverpool e Real Madrid. O jogo tomou conta da capital francesa desde quinta-feira, quando começaram a chegar os primeiros torcedores, como Justin, que veio de Los Angeles para ver seu time jogar pela primeira vez. Questionado porque um americano decidiu torcer pela equipe inglesa, ele responde: "Muitos dos meus amigos jogam futebol e todos nós escolhemos algum time. Eu li muito sobre a história do Liverpool e, a verdade, é que o time todo tem muita história. Eu gosto do fato de ele ser uma espécie de azarão, o time dos trabalhadores, por isso", diz ao Estadão.

Ao seu lado, na linha 2 do metrô de Paris, que leva a Cours de Vincennes, estão dois outros torcedores com os cabelos pintados de vermelho, um deles, Lucas Novak, com a máscara de Jürgen Klopp na mão. Eles vieram de ônibus e chegaram a Paris na manhã deste sábado. Um veio de Liverpool e o outro da Suíça, os amigos contam que essa é a quinta final que assistem juntos. "Nós compramos as entradas faz umas duas semanas mais ou menos." Frederic Thompson, arrisca um "nós vamos ganhar por 3 a 1". 

O local reservado para o encontro dos torcedores ingleses respira futebol desde as primeiras horas da tarde em Paris. Com álcool permitido, os vermelhos aproveitam para fazer a festa prévia. Muitos dormem no gramado, outros cantam entre a fumaça vermelha dos artefatos lançados no local. Entre os fanáticos, encontra-se um grupo de amigos e um deles, Phill, leva a camiseta do Brasil com o nome do ídolo Firmino, atacante do Liverpool. 

Junto com os ingleses, a nacionalidade com mais presença em campo nesta noite, em termos de jogadores, será brasileira, são oito de cada país. Existe a possibilidade, porém, de os brasileiros serem maioria em campo, pois são três titulares no Real Madrid - Militão, Casemiro e Vini Jr. - e dois no Liverpool - Alisson e Fabinho - , mas outros poderiam entrar em jogo - Rodrygo, Marcelo e Firmino. "Eu amo o Firmino, ele é uma lenda!", diz Phill. Um outro torcedor de seu grupo afirma que neste sábado "Alisson vai fazer as defesas. Fabinho vai frear o ataque e Firmino vai fazer os gols". 

Merengues se reuniram em zona próxima ao estádio

No subúrbio de Saint-Denis, ao norte, onde fica o Stade de France, foi reservado um espaço para os torcedores do Real Madrid que têm ingressos para o jogo. Depois que os torcedores do Real ingressarem ao estádio, essa zona será aberta aos torcedores locais. Não será permitido álcool na área ao redor do Stade de France, mas os torcedores poderão beber durante o jogo dentro da própria arena.

Marta reclama que não há uma região para os torcedores do Madri sem entradas. "Para a gente que não tem entrada, não tem nada. Não sabemos onde vamos ir assistir ao jogo", diz às portas do Stade de France. "Eu ainda não perdi a esperança", diz ela, que veio de Segóvia e segura um cartaz com a frase de "Compro entradas".

Assim como os espanhóis, um grupo de turistas brasileiros também esperava pela oportunidade de conseguir ingressos de última hora. "Viemos tentar achar ingresso para o jogo", diz Luciana Xavier, de Belo Horizonte. "Temos pouca esperança de conseguir entradas e teria de baixar muito o preço porque estão cobrando 2,5 mil euros", reclama Victor Vilela, que veste a camiseta do Corinthians.

Quem teve mais sorte foram os irmãos, Borja e David. "Somos dos poucos sortudos", festejavam. "Não tivemos dificuldade para conseguir entradas porque somos sócios, entramos no sorteio e nos deram", explica Borja. Os privilegiados torcedores do Madri contam que esta é a quarta final fora que participam. Estivemos em Lisboa, Madri e Kiev. "Seria muita sorte levar a melhor em Paris, mas temos de confiar em Ancelotti, Benzema e Vinicius Jr", completam os irmãos antes de entrar no trem que os levará direto ao Saint-Denis.

Tudo o que sabemos sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.