Festa palmeirense atravessa final de semana

A festa da torcida palmeirense, que começou no sábado, depois da vitória por 2 a 1 sobre o Sport, em Garanhuns, atravessou o final-de-semana e contagiou os alvi-verdes, que não se cansam de exibir, pelas ruas de São Paulo, a alegria do retorno à Série A do Campeonato Brasileiro. As comemorações não se limitaram a vestir o uniforme oficial da equipe: alguns foram mais longe e pintaram os cabelos de verde. Mas todos deixaram claro sua paixão pelo Palmeiras e aproveitavam o sucesso na Série B.?O time não começou bem a competição, mas aos poucos foi se ajustando ao esquema de jogo do Jair Picerni?, opinou Gabriel Parreira, de 19 anos. ?O mais importante é que o título é nosso?, disse o estudante, que assistiu a todos os jogos da equipe. ?Fui até o Rio ver o empate contra o Botafogo, por 1 a 1, no quadrangular final.? O amigo Mateus Silva, de 16 anos, também foi longe. ?Viajei com meu pai até Belo Horizonte para ver o time ganhar do América-MG.?Alguns palmeirenses não acompanharam o drama do time na Série B tão de perto, mas nem por isso deixaram de comemorar a conquista. ?Só assisti a dois jogos inteiros, mas estou muito feliz, assim como a maioria dos meus amigos, que também são palmeirenses?, disse Cíntia Andréa Franco, de 19 anos. Ela confessou que não viu nenhuma partida no Palestra Itália. ?Mas como disputaremos a Série A em 2004, será uma ótima chance para ir ao estádio.? Cíntia apontou o lateral-esquerdo Lúcio como o melhor jogador do time.Para o ajudante-geral Samuel Anjos Dias, de 20 anos, o atacante Wágner Love foi um dos maiores responsáveis pela boa campanha. ?Ele foi muito bem, marcou e participou de mais da metade dos gols do time.? Também sobraram elogios para o técnico Jair Picerni. ?Ele pegou um elenco desestruturado e deu um padrão tático ao Palmeiras.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.