Feyenoord mantém técnico após perder por 10 a 0

A humilhante derrota por 10 a 0 no domingo, sofrida no clássico contra o PSV Eindhoven, ao menos por enquanto não trará mudanças ao Feyenoord. Nesta segunda-feira, o diretor técnico da equipe, Leo Beenhakker, garantiu que o treinador Mario Been não será demitido após o massacre.

AE-AP, Agência Estado

25 de outubro de 2010 | 09h25

No jogo de domingo, o PSV marcou oito gols apenas no segundo tempo e construiu a maior goleada da história do Campeonato Holandês - o brasileiro Jonathan Reis, ex-Cruzeiro, fez o primeiro, o terceiro e o sexto. Em dez partidas na competição, o Feyenoord venceu duas e está em 15.º, lutando contra o rebaixamento.

E mesmo depois de Been afirmar após o jogo que deixaria o comando se jogadores e dirigentes tivessem perdido a fé nele, Beenhakker contemporizou e garantiu que ainda acredita no técnico, que está no comando do Feyenoord desde 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFeyenoordMario BeengoleadaPSV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.