FHC usa futebol para "afagar" Equador

O presidente Fernando Henrique Cardoso deixou de lado a diplomacia e os cuidados costumeiros para se referir aos parceiros do Mercosul, quando analisou nesta segunda-feira a dificuldade da seleção brasileira de futebol em se classificar para a Copa do Mundo. "É melhor perder para o Equador do que para o Uruguai e para a Argentina, nossos tradicionais adversários. Perder para o Equador é perder para um país muito próximo a nós no futebol e em muitas outras coisas mais", disse o presidente, diante de um surpreendido presidente do Equador, Gustavo Noboa.O presidente equatoriano retribuiu a gentileza. Disse que um campeonato mundial sem a presença do Brasil não é o mesmo. "O Brasil não é só futebol, é muito samba e muita alegria. Espero que o Brasil e o Equador se classifiquem", afirmou Noboa. Nos confrontos entre as duas equipes pelas eliminatórias, o Brasil venceu por 3 a 2, no Brasil, e perdeu por 1 a 0, no Equador.Na sua manifestação sobre o futebol, o presidente Fernando Henrique fez o que faz todo cidadão brasileiro: transformou-se em técnico. Disse que com a globalização os jogadores também se globalizaram. Com isso, não existe uma equipe propriamente dita, porque elas são montadas em cima da hora. "Mas isso não explica tudo", arriscou-se ainda o presidente. Para ele, como em tudo na vida, é preciso ter sorte.

Agencia Estado,

01 de outubro de 2001 | 18h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.