Fiel chega a São Paulo e festa continua

Depois de 14 horas de uma longa viagem, os primeiros ônibus trazendo torcedores do Corinthians começaram a chegar a São Paulo na manhã desta segunda-feira. Apesar das enormes dificuldades que encontraram pela frente - a exemplo do que havia ocorrido na ida (Veja como foi a viagem de ida) - os torcedores driblaram o cansaço e entraram na cidade cantando, felizes pelo tetracampeonato. Da estrada, seguiram para a quadra da Gaviões da Fiel, onde a festa prometia atravessar a tarde. Os primeiros ônibus deixaram o estádio Serra Dourada a partir das 7 da noite de ontem e só chegaram a São Paulo agora pela manhã. E, mais uma vez, a viagem se transformou numa prova de resistência. Temendo eventuais saques ou depredações, os postos de serviço pediram a ajuda da polícia e fecharam o acesso aos ônibus da caravana. ?Quando a gente chegava perto, a policia fechava a entrada e mandava a gente seguir. Não deixava o ônibus nem estacionar?, denunciou o torcedor Michel Ramos. ?A gente atravessou 800 quilômetros sem poder parar nem para beber água?, acrescentou Leandro Gomes.Os problemas só terminaram em Araras, já em São Paulo, quando os grupos de torcedores foram recebidos. ?Nós queremos até agradecer o posto Pica-Pau, que foi o único que deixou a gente entrar?, disse Luiz Fernando, que pede para ser identificado como Luiz do Bom retiro ?É assim, que o pessoal me conhece por lá?, explica.Apesar das enormes adversidades, os torcedores garantiam que a viagem valeu a pena. ?Para ver o Corinthians vale tudo. Ainda mais para ver o Corinthians tetra?, gritava Sérgio Cunha Prata. A frase foi comemorada como um gol pelos amigos, que cantavam e pulavam como se estivessem na arquibancada.O casal Marjorie e Eduardo Rodrigues desceu na entrada de São Paulo. Os dois decidiram não acompanhar a festa na quadra da Gaviões. ?A gente tem que ir para Pirituba. Nós deixamos a nossa filhinha de um ano (Gioavana) para ver o Corinthians. Agora está na hora de cuidar um pouco dela?, explicou a mãe Marjorie.Os torcedores fizeram festa ainda na estrada. Com meio corpo para fora das janelas dos ônibus, eles chamavam a atenção dos outros motoristas. Alguns, mais audaciosos, chegaram a subir no teto do ônibus para comemorar. Fabio Albenas por pouco não se machucou seriamente. Ele estava no teto do veículo quando o motorista deu a partida. Fabio caiu no acostamento e torceu o pé. ?Não foi nada. Amanhã eu tô escalado?, disse ele, que acabou festejado pelos amigos Mister e Maurinho, Narciso Pinheiro e Itamar de Carapicuíba.

Agencia Estado,

05 de dezembro de 2005 | 11h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.