Walter Bieri/ EFE
Walter Bieri/ EFE

Fifa abre processo e suspende treinadores e dirigente gaboneses por abuso sexual

Entidade máxima do futebol investiga casos de assédio e estupro sistemático de jovens atletas no país

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2022 | 12h47

Após denúncias, a Fifa iniciou um processo formal e suspendeu provisoriamente três treinadores e um dirigente do Gabão, acusados de exploração e abuso sexual de menores. Ainda em 2021, a Comissão de Ética da entidade iniciou procedimentos preliminares, diante das acusações.

Patrick Assoumou Eyi, ex-treinador da seleção sub-17 do Gabão, recebeu investigações já no ano passado, diante das suspeitas, mas nesta terça-feira a Fifa informou que outros três integrantes do futebol no país também vão entrar no processo. São eles: Serge Ahmed Mombo, presidente da liga gabonesa, Triphel Mabicka e Orphée Mickala, estes técnicos de futebol no país.

Em dezembro, o jornal inglês The Guardian revelou o caso envolvendo Eyi. De acordo com as vítimas ouvidas pela matéria, o ex-treinador chamava sua casa de "Jardim do Édem". O ex-treinador, que atraiu os jovens, é acusado de estupro de vulnerável.

Todos receberam suspensões provisórias de 90 dias, não podendo participar de nenhuma atividade relacionada ao futebol, administrativa ou de caráter esportivo, nesse período. A pena vale tanto no âmbito nacional quanto internacional. 

"Essas sanções foram impostas em conexão com investigações criminais em andamento", afirmou a Fifa em comunicado. A Comissão de Ética recebeu denúncias do sindicato global de jogadores FIFPRO, que disse que o abuso de meninos menores de idade no Gabão estava "profundamente enraizado" no futebol local e era "um segredo aberto que não foi abordado por anos". 

Eles também alegaram que pessoas "com laços estreitos" com a Federação Gabonesa fizeram ameaças a jogadores e testemunhas durante a investigação. O Gabão é o mais recente país investigado por abuso sexual sistemático pela Comissão, que já baniu membros no Afeganistão e Haiti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.