Fifa adia decisão sobre copas de 2018 e 2022

Entidade máxima do futebol quer que escolha das sedes ocorra simultaneamente em dezembro

Mark Ledson, Reuters

24 de outubro de 2008 | 10h48

O comitê executivo da Fifa decidiu adiar para dezembro o início do processo de candidatura para receber as Copas do Mundo de 2018 e 2022, após ter buscado sem sucesso nesta sexta-feira uma decisão sobre o assunto. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, quer que a escolha das sedes de ambas as Copas ocorra simultaneamente. "Nenhuma decisão foi tomada, examinaremos a questão novamente em Tóquio", disse o presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), Nicolás Leoz, membro do comitê-executivo, depois da reunião de sexta-feira. "Acho uma decisão sensata, com a qual o presidente da Fifa concordou", disse outro integrante do comitê, o ex-jogador alemão Franz Beckenbauer. "Muitas das associações só haviam ouvido falar pela mídia da idéia de decidir ambos os torneios simultaneamente, então adiar a decisão nos dá mais tempo para discutir a proposta e ouvir os pensamentos das pessoas a respeito", acrescentou Beckenbauer, principal responsável pela organização da Copa de 2006, na Alemanha. Blatter deve conceder entrevista coletiva ainda na sexta-feira para discutir mais detalhes da proposta. África do Sul e Brasil conquistaram o direito de realizar as Copas de 2010 e 2014 graças a um efêmero sistema de rodízio de continentes, abandonado no ano passado -- de modo que, agora, qualquer país, de qualquer região, poderá pleitear o Mundial de 2018. Com a escolha simultânea de duas Copas, eventuais candidatos poderiam se concentrar mais em 2022, o que lhes daria mais tempo de preparação. O lado negativo é que isso complicaria o cumprimento de uma nova regra que proíbe a realização de duas Copas consecutivas no mesmo continente. Dessa forma, candidatos a 2022 perderiam automaticamente o direito de ser sede caso um país da mesma região seja escolhido para 2018.

Tudo o que sabemos sobre:
FifaCopa 2018Copa 2022

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.