Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Fifa admite dificuldade para buscar novos patrocinadores

Escândalos de corrupção atrapalham contratados de publicidade

Estadão Conteúdo

24 de julho de 2015 | 10h51

A Fifa admitiu que o escândalo de corrupção que afeta a entidade está dificultando a busca por novos patrocinadores. Além disso, vários apoiadores financeiros da entidade gestora do futebol mundial, como Coca-Cola, McDonald''s e Visa, têm realizado questionamentos após a Fifa ser atingida por denúncias de corrupção que provocaram a prisão de vários dirigentes, em uma investigação liderada pelos Estados Unidos.

Diante da crise, a Fifa não conseguiu ainda encontrar substitutos para a Emirates e a Sony, que decidiram não renovar seus acordos após a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil. A entidade também havia aberto 20 vagas para patrocinadores regionais. Mas, até agora, nenhum dos lugares foi ocupado.

Um dia antes da realização do sorteio das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, admitiu que o momento não é fácil para a entidade e reconheceu que não deverão ocorrer novidades até a eleição do novo presidente da entidade.

"A situação atual não ajuda a fechar nenhum novo acordo, isso é um fato. E estou certo de que até a eleição (presidencial) em 26 de fevereiro não haverá nenhum anúncio importante", afirmou, revelando a repercussão negativa do escândalo de corrupção para as contas da Fifa.

Valcke revelou ainda que a Fifa vai se reunir nos próximos dias com patrocinadores para debater sua reforma. Bilionária, a entidade teve em 2014 uma renda recorde com a Copa no Brasil. O evento gerou mais de US$ 5 bilhões e permitiu que a entidade acumulasse uma riqueza sem precedentes em mais de 110 anos de história.

Para os patrocinadores que por anos pagaram pelo evento, chegou o momento de Joseph Blatter deixar a Fifa. Foi justamente essa pressão que o levou a renunciar logo após ser eleito para um quinto mandato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.