Divulgação/Mexsport
Divulgação/Mexsport

Fifa afasta o cartola Canover Watson, acusado de corrupção

Dirigente da Ilhas Cayman integra o Comitê de Auditoria e Fiscalização da entidade e é investigado por lavagem de dinheiro

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2014 | 09h59

A Fifa afasta de forma temporária um de seus dirigentes, acusados em seu país de corrupção. Canover Watson, das Ilhas Cayman, integra Comitê de Auditoria e Fiscalização de Normas da Fifa e é um dos responsáveis por controlar e validar as conta da organização. Mas a entidade decidiu o afastar até que o processo seja concluído. O cartola nega qualquer crime.

Watson, que pagou uma fiança para responder em liberdade, é suspeito de uma "quebra de confiança contrária à seção 13 da Lei Anticorrupção das Ilhas Cayman, bem como de abuso de cargo público... E conflito de interesses". Além de corrupção, ele foi preso por lavagem de dinheiro em um caso envolvendo a introdução de um sistema de cartões magnéticos no sistema de saúde da ilha. Watson foi o diretor da Autoridade de Serviço de Saúde de Cayman.

Em um primeiro momento, a Fifa havia se recusado a afastá-lo. Mas, pressionada, a entidade decidiu hoje agir. O presidente do Comitê de Auditoria, Domenico Scala, optou por seu afastamento até que o caso seja esclarecido.

O acusado foi obrigado a prestar explicações para a Fifa. A entidade constatou que o caso não estava relacionado com suas atividades no futebol. "A presunção de inocência deve ser aplicada", escreveu Scala. Mesmo se o cartola foi afastado, Scala insiste que essa não será a lei a partir de agora. "Isso não deve ser visto como um procedimento de rotina. Casos precisam ser avaliados individualmente", justificou.

Watson, além de trabalhar na Fifa, é o vice-presidente da Federação de Futebol das Ilhas Cayman e o tesoureiro da entidade.

Permeada por casos de corrupção, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, colocou a ética como sua principal bandeira para as eleições de 2015. Nesta semana, ele patrocina em Zurique um seminário mundial sobre o assunto. Ele ainda promete decisões sobre a escolha do Catar para sediar a Copa de 2022. Mas se recusa a publicar sua renda, explicar os salários os cartolas da Fifa e nem investigar o passado da organização. 

Mais conteúdo sobre:
futebol Fifa corrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.