Yuri Kadobnov / AFP
Yuri Kadobnov / AFP

Fifa afasta presidente interino da Confederação Africana de Futebol

Constant Omari foi impedido de participar da eleição da entidade em março, na qual tentaria se manter no cargo

Redação, Estadao Conteudo

27 de janeiro de 2021 | 13h12

O presidente interino da Confederação Africana de Futebol (CAF), Constant Omari, está sob investigação e foi impedido pela Fifa, nesta quarta-feira, de participar da eleição da entidade em março, na qual tentaria se manter no cargo.

A Fifa aponta que o dirigente apresentou falhas em uma verificação de integridade e elegibilidade devido a "uma investigação formal em andamento pelo comitê de ética" da entidade. Detalhes do caso não foram fornecidos em carta à confederação africana enviada por um supervisor oficial nomeado pela Fifa.

Omari é presidente da federação de futebol do Congo e é delegado africano no Conselho da Fifa desde 2015. Pelo cargo, recebe US$ 250 mil (cerca de R$ 1,3 milhão) anualmente da Fifa.

Omari assumiu a liderança da CAF quando o presidente anterior Ahmad Ahmad foi afastado pela Fifa em novembro por irregularidades financeiras. Ahmad, de Madagascar, e Omari estão entre as três autoridades africanas barradas de serem candidatas a cargos da Fifa nas eleições da CAF em 12 de março.

O comitê de governança e revisão da Fifa realiza investigações obrigatórias sobre os candidatos, como parte das reformas introduzidas nas alterações financeiras e escândalos eleitorais registrados na última década. Omari teria sido investigado por suspeita de irregularidades financeiras relacionadas aos contratos comerciais da CAF, quando era vice-presidente de Ahmad.

A turbulência na CAF em 2019 levou a FIFA a enviar sua secretária-geral, Fatma Samoura, do Senegal, para dirigir a entidade por seis meses. Uma auditoria foi instaurada.

O futebol africano, composto por 54 nações, deve eleger um presidente, seis delegados do conselho da Fifa e membros de seu próprio comitê executivo. A reunião eleitoral está marcada para Rabat, no Marrocos.

As verificações de integridade da Fifa foram aprovadas para quatro candidatos presidenciais: Jacques Anouma, da Costa do Marfim; Patrice Motsepe, da África do Sul; Augustin Senghor, do Senegal; e Ahmed Yaya, da Mauritânia. Motsepe é um empresário bilionário e cunhado do presidente sul-africano Cyril Ramaphosa. O próximo presidente da CAF também se tornará um dos oito vice-presidentes da Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.