Remo Casilli/Reuters
Remo Casilli/Reuters

Fifa anuncia plano de R$ 7,7 bilhões para ajudar o futebol durante a pandemia

Entidade aprova pacote de auxílio para associações nacionais aplicarem em categorias de base, times amadores e futebol feminino

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2020 | 11h43

O Conselho da Fifa aprovou nesta quarta-feira um plano de ajuda financeira à comunidade do futebol por causa da pandemia do novo coronavírus, que deixou o futebol paralisado por quatro meses no Brasil. A entidade vai disponibilizar US$ 1,5 bilhão (R$ 7,7 bilhões) para as associações nacionais filiadadas usarem no futebol profissional, nas categorias de base e amadoras e ainda no futebol feminino.

De acordo com a Fifa, cada federação receberá, durante essa fase do plano para aliviar os problemas causados pela covid-19, um subsídio de US$ 1 milhão (R$ 5,13 milhões) para proteger e retomar a atividade do futebol em suas regiões e mais USS 500 mil (cerca de R$ 2,5 milhões) no futebol feminino.

"Este plano de apoio é um ótimo exemplo de solidariedade e envolvimento no futebol em um momento sem precedentes. Agradeço aos meus colegas do Conselho por aprovarem a decisão de prosseguir com esta importante iniciativa em benefício de todas as federações e confederações membros da Fifa", afirmou o presidente da entidade, o suíço Gianni Infantino.

A Fifa explicou que todas as federações podem usar o dinheiro em atividades destinadas a reiniciar competições, implementar protocolos para o retorno do futebol, a participação de seleções em torneios, manutenção de infraestruturas e pagamento de despesas administrativas e operacionais. Muitos clubes perderam parte de suas fontes de renda com a parada.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Devemos mostrar união em todos os aspectos do futebol e assegurar-nos de que o futebol possa ser retomado em sua globalidade. Esta é nossa prioridade e nosso plano de assistência financeira também seguirá este princípio
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gianni Infantino, Presidente da Fifa

"Devemos mostrar união em todos os aspectos do futebol e assegurar-nos de que o futebol possa ser retomado em sua globalidade. Esta é nossa prioridade e nosso plano de assistência financeira também seguirá este princípio", acrescentou Infantino. "Queremos que o plano de assistência financeira tenha um amplo alcance e inclua também o futebol feminino, enquanto possa operar de forma moderna, eficiente e transparente", completou o dirigente.

Em maio, a Fifa já havia anunciado que a sua Fundação organizaria uma partida de exibição, que ainda está sem data e local definidos, para arrecadar fundos que serão destinados ao combate do novo coronavírus. A entidade espera que haja o comprometimento da comunidade futebolística mundial, assim como de governos, de organizações não-governamentais (ONGs) e do setor privado.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Queremos que o plano de assistência financeira tenha um amplo alcance e inclua também o futebol feminino, enquanto possa operar de forma moderna, eficiente e transparente
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gianni Infantino, Presidente da Fifa

No início da pandemia da covid-19, em fevereiro deste ano, a Fundação Fifa já havia doado 10 milhões de euros (R$ 60,3 milhões na cotação atual) para esse fim. As federações devem repassar essas verbas para as devidas finalidades. A Fifa não informou quando elas começarão a receber suas cotas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.