Denis Balibouse/Reuters
Denis Balibouse/Reuters

Fifa anuncia que vai organizar um jogo e arrecadar fundos para o combate ao coronavírus

Ainda sem data e local definidos, a partida visa ajudar no desenvolvimento, produção e acesso para novas tecnologias sanitárias

Redação, Estadão Conteúdo

18 de maio de 2020 | 10h20

A Fifa anunciou nesta segunda-feira que sua Fundação organizará uma partida de exibição, ainda sem data e local definidos, para arrecadar fundos que serão destinados ao combate do novo coronavírus (covid-19). A entidade espera que haja o comprometimento da comunidade futebolística mundial, assim como de governos, de organizações não-governamentais (ONGs) e do setor privado.

A ideia da Fifa é que a arrecadação ajude a acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso a novas tecnologias sanitárias essenciais para combater o novo coronavírus, incluindo nisso os diagnósticos, os tratamentos e as vacinas.

O presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino, afirmou em um comunicado oficial que a entidade tem a responsabilidade de mostrar solidariedade e tem que seguir fazendo todo o possível para participar de atividades na luta contra a pandemia.

"Temos participado ativamente na sensibilização através de várias campanhas e a Fifa também já contribuiu economicamente com esta causa. Mas agora nos comprometemos a organizar essa partida de arrecadação de fundos para quando a situação sanitária permitir. Mesmo que isso tarde alguns meses", disse Infantino.

No início da pandemia, em fevereiro deste ano, a Fundação Fifa já doou 10 milhões de euros (R$ 62,6 milhões na cotação atual) para esse fim. Agora pretende aproveitar a oportunidade de organizar a partida para ampliar o alcance do futebol para além da rede esportiva tradicional. Quer chegar na sociedade em geral e contribuir assim no esforço para combater o coronavírus.

"A Fundação chamará não apenas a comunidade futebolística mundial. Mas também outras partes interessadas, desde organizações não-governamentais até outras fundações, passando pelo setor privado e os governos, a fim de garantir que esta iniciativa seja uma ajuda significativa para quem está na vanguarda da luta contra a covid-19", declarou o argentino Mauricio Macri, presidente da Fundação Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.