Fifa anuncia sábado a sede da Copa de 2010

A Copa do Mundo de 2010 será na África do Sul. No sábado, dia 15, a Fifa deve homologar o país como sede do primeiro Mundial a ser disputado no continente africano. Apenas o Egito pode tirar o evento dos sul-africanos, de acordo com o relatório ?Conclusões Gerais? elaborado pela Fifa no dia 5 deste mês. Os outros três candidatos ? Marrocos, Tunísia e Líbia ? não têm a menor chance, se valer o que está publicado no informe do Grupo de Inspeção da Fifa.?Apesar das questões sobre a segurança no país, o Grupo de Inspeção acredita que a África do Sul tem potencial para organizar uma excelente Copa do Mundo?, diz o relatório da Fifa.O mesmo documento aponta o Egito em condições de receber o Mundial. ?Em que pese a carência de estádios adequados para um evento dessa envergadura, o Egito é capaz de organizar uma muito boa Copa do Mundo?.Marrocos também teve uma avaliação positiva mas sem muito entusiasmo. Tunísia e Líbia deixaram a desejar, sempre de acordo com o relatório de inspeção da Fifa.O veredicto sai no sábado, quando os 24 dirigentes do Comitê Executivo da Fifa elegerão o país sede do Mundial de 2010. O eleito deve ter a metade dos votos (12) mais um. A cada rodada de votação, um país é eliminado. Na última rodada, se houver empate (12 a 12), Joseph Blatter, presidente da Fifa, decide a eleição com o voto de Minerva.A África do Sul é a favorita. Blatter tem uma dívida para com os sul-africanos. Na escolha da sede do Mundial de 2006, Blatter jogou todas as fichas no país africano. Montou um lobby enorme mas o Comitê Executivo elegeu a Alemanha como país organizador da Copa do Mundo.Os alemães venceram os sul-africanos por 12 votos a 11. O australiano Charles Dempsey, do Comitê Executivo, se absteve de votar. O voto de Dempsey seria da África do Sul, o que deixaria o pleito empatado. Blatter, com o voto de Minerva, daria a vitória aos sul-africanos. Com a abstenção de Dempsey, a Alemanha levou a Copa.Dempsey foi acusado de vender seu voto aos alemães. Depois das eleições, o australiano deixou o Comitê Executivo da Fifa e foi cuidar dos seus interesses.Blatter ficou em dívida com a África do Sul. E para não perder mais uma, impôs o rodízio de continentes garantindo à África o direito de organizar a Copa de 2010. Em 2014, será a vez da América do Sul receber o Mundial.Diante de tantas manobras nos bastidores da Fifa, difícil imaginar mais uma derrota dos sul-africanos. O relatório do Grupo de Inspeção da Fifa foi amplamente favorável à África do Sul.?A concessão do Mundial será o maior presente que poderíamos receber da Fifa no décimo aniversário da nossa democracia?, disse, às agências internacionais, Danny Jordaan, diretor de Comitê de Candidatura da África do Sul.O Comitê de Candidatura Sul-africano prevê a criação de 156 mil postos de trabalho. Os sul-africanos oferecem 13 estádios em 11 cidades eleitas para a realização dos jogos. Investirá US$ 224,1 milhões na construção, reformas e modernização dos estádios. O investimento total na organização do Mundial está estimado em US$ 476 milhões.Candidatos preteridos pelo Grupo de Inspeção protestaram contra as conclusões favoráveis à África do Sul. Os marroquinos foram os que mais acusaram o golpe. ?A Fifa deu uma verdadeira punhalada em Marrocos ?, acusou, em editorial, o diário marroquino L?Opinion. ?Teríamos de ficar em igualdade com a África do Sul?.Na sexta-feira, foi a vez do Egito se unir a Marrocos para protestar contra a Fifa. ?Somos o único país entre os cinco candidatos que tem seus próprios satélites, o que facilitaria a transmissão da televisão, mas isso não foi mencionado no relatório do Grupo de Inspeção da Fifa, disse Zohair Ammar, do Comitê de Organização do Egito. ?O Egito foi prejudicado pelos inspetores da Fifa.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.