JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Fifa aplaude reformas trabalhistas anunciadas pelo governo do Catar

Relatório divulgado no ano passado denunciou a exploração da mão de obra estrangeira no país

EFE, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2014 | 17h25

SÃO PAULO -  A Fifa aplaudiu as reformas trabalhistas anunciadas nesta quarta-feira pelos Ministérios do Trabalho e Assuntos Sociais e do Interior do Catar, já que "confirmam o compromisso do país para melhorar o bem-estar dos trabalhadores imigrantes e para que a Copa do Mundo de 2022 seja um catalisador para uma mudança social positiva".

"Temos a esperança de ver a aplicação de ações concretas nos próximos meses. Seguiremos com nossa próxima colaboração com as autoridades do Catar, assim como com o diálogo com todos os poderes públicos", disse o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

Segundo informou este organismo, o presidente indicou que o anúncio feito pelas autoridades catarianas representa "um passo significativo na direção correta para que haja uma mudança sustentável nos padrões do bem-estar dos trabalhadores no Catar".

A Fifa também anunciou que decidiu atrasar até depois do próximo Mundial do Brasil a viagem que Blatter tinha previsto fazer em meados de maio ao Catar, junto com o alemão Theo Zwanziger, membro do Comitê Executivo.

No fim de novembro do ano passado, a Anistia Internacional divulgou um relatório para denunciar a exploração da mão de obra estrangeira no país. O relatório divulgado chegou a conclusões estarrecedoras.

Os operários imigrantes chegam ao Catar com a expectativa de aproveitar a explosão do crescimento econômico e as muitas ofertas de emprego na construção civil - principalmente relacionadas com a preparação para receber a Copa de 2022. Mas, segundo a Anistia Internacional, precisam lidar com péssimas condições de trabalho e moradia, em ambientes insalubres. E, muitas vezes, nem recebem.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa 2022FofaCatar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.