Mladen Antonov/AFP
Mladen Antonov/AFP

Fifa apresenta o VAR para a Copa e defende o sistema: 'Estamos no caminho certo'

Sistema de Árbitro Assistente de Vídeo será controlado em sala com centenas de monitores

Glauco de Pierri, ENVIADO ESPECIAL / MOSCOU, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2018 | 08h30

Salas com centenas de monitores conectados uns aos outros, vigiando cada um dos 64 jogos da Copa do Mundo. Quilômetros de fios e cabos ajustados para que os servidores que alimentam esse complexo sistema funcione sem nenhuma falha. Assim, em cenário que mais parece o de filmes mais antigos, como Matrix, foi que a Fifa apresentou ao mundo como é que tentará fazer do Mundial da Rússia o mais justo possível, sem erros de arbitragem. O VAR (árbitro assistente de vídeo, na sigla em inglês) está pronto para entrar em operação.

‘Sobreviventes’ do 7 a 1 estão de pé e garantem estar prontos para volta por cima

Messi e Cristiano Ronaldo dividem a publicidade nas ruas de Moscou

Líderes usam Copa do Mundo para exibir a ‘nova’ Chechênia

Em Moscou, no Centro Internacional de Transmissão (IBC, na sigla em inglês), uma equipe de oito pessoas usarão duas salas para tirar qualquer dúvida que a arbitragem possa ter em cada um dos jogos da Copa. Entre os oito profissionais, um será o árbitro assistente de vídeo, três serão seus auxiliares e outros quatro serão os técnicos que vão operar os equipamentos.

O ex-árbitro suíço Massimo Busacca, que é o atual chefe do Departamento de Arbitragem da Fifa, explicou para centenas de jornalistas de todo o planeta a ideia central da entidade: "Nós estamos aqui para buscar os erros mais graves e evitá-los". O suíço ainda disse que o VAR é uma necessidade para o futebol atual. "A Fifa está no caminho certo. O jogo ficará mais justo e será melhor para todos. O sistema veio para ajudar a arbitragem e logo todos estarão acostumados".

 

A ideia da Fifa é dividir o trabalho. Os oito profissionais terão acesso a todas as imagens de transmissão da Copa. Enquanto no estádio a arbitragem comanda uma partida, no IBC, em Moscou, o árbitro principal de vídeo terá todas as telas à disposição e será o responsável por conversar com o juiz da partida. Um dos seus auxiliares vai procurar os pênaltis, outro ficará responsável pelos impedimentos e o terceiro será uma espécie de supervisor.

São 13 os árbitros de vídeo para esse mundial, entre eles o brasileiro Wilton Sampaio. Os outros são Abdulrahman Al Jassim (Catar), Gery Vargas (Bolívia), Mauro Vigliano (Argentina), Bastian Dankert (Alemanha), Artur Dias (Portugal), Pawel Gil (Polônia), Massimiliano Irrati (Itália), Danny Makkelie (Holanda), Tiago Martins (Portugal), Daniele Orsato (Itália), Paolo Valeri (Itália) e Felix Zwayer (Alemanha).

MAIS TECNOLOGIA

A Fifa ainda mostrou como serão feitas as transmissões, todas com câmeras de última geração e aposta neste evento na interatividade com o torcedor pelas redes sociais. O torcedor poderá ver o jogo em imagens 4K e as transmissões terão vídeos em 360 graus. Em cada jogo serão 37 câmeras convencionais, além de oito especiais, incluindo uma que gravará em "super slow-motion", "áudio imersivo", além de conteúdo para quem estiver com headsets de realidade virtual.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.