Carlo Allegri/Reuters
Carlo Allegri/Reuters

Fifa bane do futebol dirigente da Guatemala por suborno e corrupção

Héctor Trujillo havia sido sentenciado a oito meses de prisão em outubro do ano passado por fraude bancária e conspiração

Estadão Conteúdo

08 Maio 2018 | 14h54

A Fifa baniu do futebol nesta terça-feira Héctor Trujillo, ex-secretário-geral da Federação de Futebol da Guatemala. O dirigente, que também é ex-juiz da Corte Institucional do seu país, havia sido sentenciado a oito meses de prisão em outubro do ano passado por fraude bancária e conspiração.

+ EUA descartam problemas com entrada de estrangeiros no país na Copa de 2026

+ Ligas querem Europa unida contra novas competições propostas pela Fifa

Trujillo foi um dos dirigentes flagrados no escândalo de corrupção que envolveu a Fifa nos últimos anos. Inicialmente, ele havia recebido pena de três anos de detenção pela corte de Nova York, nos Estados Unidos, mas conseguiu a redução.

  Segundo comunicado da Fifa, o guatemalteco foi banido por sua "relação com subornos recebidos em troca da concessão dos direitos de televisão e marketing das partidas de eliminatórias do Mundial, entre outros feitos", informou.

O escândalo é o mesmo que condenou o ex-presidente da CBF, José Maria Marin. No brasileiro, no entanto, responde a sete crimes, entre eles o de suborno pela venda dos direitos de tv. Marin é acusado ainda de ter recebido US$ 6,5 milhões (cerca de R$ 21,6 milhões na cotação atual) desde que assumiu o comando da CBF, em 2012.

A Comissão de Ética enquadrou Trujillo no artigo 21 (suborno e corrupção) do Código Ético da Fifa e por isso ele "não poderá voltar a participar de atividades relacionados ao futebol". Além disso, terá que pagar uma multa de 200 mil francos suíços (R$ 700 mil).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.