Fifa cede e Europa vai segurar atletas

Os maiores clubes europeus pressionam a Fifa para que limite os amistosos realizados pelas seleções sul-americanas. Nesta sexta-feira, em uma reunião entre os dirigentes dos times e a Fifa, o presidente da entidade máxima do futebol, Joseph Blatter, anunciou que as seleções como a do Brasil não poderão pedir a liberação de seus jogadores para amistosos fora da Europa em um ano de eliminatórias.Além disso, a Copa América será realizada a cada quatro anos, como ocorre na EuroCopa. Até agora, o torneio sul-americano era realizado a cada dois anos. A Fifa também informou que, a partir de 2005, as seleções não poderão realizar amistosos no mês de abril, período considerado crucial para os clubes europeus.A reunião contou, pela primeira vez, com o vice-presidente do Bayern de Munique, Karl-Heinz Rummenigge, Peter Kenyon, do Manchester United, Pedro López Jiménez, do Real Madrid, e autoridades da Fifa.Os clubes ainda deixaram claro à Fifa que não pretendem liberar os seus jogadores para a Copa das Confederações, que ocorre em junho, na França, e que contará com a participação do Brasil. A Fifa, porém, pediu que os clubes e as federações nacionais entrem em um acordo sobre o tema. "Esperamos que as seleções venham com equipes fortes", afirmou Blatter.Os clubes ainda pediram que a Fifa considere a possibilidade de se criar uma lei que possibilite que as seleções dêem compensações financeiras para que seus atletas sejam liberados para disputar amistosos. Os clubes reclamam que, a cada amistoso disputado, cedem seus principais astros.Apesar dos vários pedidos dos clubes, a Fifa também fez um apelo. A entidade quer o apoio dos clubes europeus para o Campeonato Mundial de Clubes, que não é bem visto pelas equipes européias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.