Fifa confirma aumento na segurança dos estádios

Os recentes casos de invasão de torcida no Maracanã fizeram a Fifa e o governo brasileiro se mexerem. Na noite da última sexta-feira, a principal entidade do futebol confirmou que haverá mudanças no esquema de segurança nos estádios da Copa do Mundo para impedir que se repitam episódios como os ocorridos nas partidas Argentina x Bósnia e Espanha x Chile.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2014 | 09h01

Em comunicado, a Fifa revelou que foi realizada uma reunião na sexta-feira e que nela foram decididas algumas alterações no esquema de segurança. "Como resultado desta avaliação foi decidido reforçar a segurança do perímetro dos estádios (pessoal e físico), além do aumento da presença de segurança pública para controle de acesso (mag&bags) e segurança privada (stewards) nos 12 estádios."

Ainda de acordo com a nota, a decisão foi tomada em conjunto pela entidade e pelo poder público. "Representantes do Ministério da Justiça, da Defesa, do Esporte, da Fifa e do COL (Comitê Organizador Local) se reuniram nesta sexta-feira no Rio de Janeiro para fazer uma avaliação da operação de segurança após uma semana de disputa da Copa do Mundo."

A possibilidade de haver um aumento na segurança nos estádios já havia sido levantada. Até mesmo o presidente da Fifa, Joseph Blatter, chegou a garantir mais cedo na sexta o fim das invasões. "Não acredito que será um problema que continuará. Isso não vai acontecer de novo."

No dia 15, alguns argentinos conseguiram romper a segurança no Maracanã e entrar no estádio para acompanhar o duelo com a Bósnia, mas o caso mais grave ocorreu na quarta. Quarenta e cinco minutos antes do início do jogo entre Espanha e Chile, entre 150 e 200 torcedores chilenos invadiram a área de imprensa, quebrando paredes e causando confusão. Parte dos invasores chegou até a arquibancada, enquanto 88 foram detidos e serão deportados.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolsegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.