Fifa contrata consultoria especialista em crises para lidar com questões de 'reputação'

Assolada por um escândalo de corrupção, a Fifa contratou a Teneo, empresa de Nova York especializada em comunicações e aconselhamento em situações de crise, para lidar com as investigações de autoridades dos Estados Unidos e da Suíça e tentar melhorar sua imagem.

SIMON EVANS, REUTERS

16 de julho de 2015 | 12h44

Uma porta-voz da Fifa disse à Reuters que a organização recorreu à Teneo “para trabalhar suas prioridades de operação e reputação”.

Não foi possível obter comentários de representantes da Teneo de imediato.

    Em maio, promotores dos EUA indiciaram nove dirigentes do futebol, a maioria dos quais tinha cargos na Fifa, e cinco executivos de empresas de marketing e divulgação por uma série de delitos relacionados ao pagamento de propinas, entre eles fraude, lavagem de dinheiro e extorsão.

Sete dirigentes foram presos em Zurique dois dias antes do congresso anual da entidade que comanda o futebol mundial – incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin–, mergulhando a Fifa no caos.

    Entre os executivos da Teneo estão várias pessoas que atuaram em campanhas de países candidatos a sediar a Copa do Mundo.

O presidente da Teneo, Doug Band, foi diretor da campanha dos EUA para sediar o Mundial de 2022. O evento foi concedido ao Catar em uma votação de membros do comitê executivo da Fifa que agora é um dos objetos das investigações norte-americanas e suíças.

Band também foi conselheiro do ex-presidente norte-americano Bill Clinton – durante seu governo e muitos anos depois. O próprio Clinton ajudou a defender a proposta de seu país à Fifa.

Tudo o que sabemos sobre:
FUTFIFAEUACONSULTORIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.