Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Fifa cria exceções para clubes não liberarem jogadores para as seleções

Medida tem validade para as partidas internacionais deste ano e foi tomada em razão da pandemia do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2020 | 22h55

A Fifa divulgou nesta quinta-feira algumas exceções que permitem aos clubes não liberarem seus jogadores para as seleções. A medida tem validade para as partidas internacionais deste ano e foi tomada em razão da pandemia do novo coronavírus. As exceções já tinham sido estabelecidas durante os jogos das seleções da Europa em setembro. Agora, valem para todo o mundo, incluindo as quatro primeiras rodadas das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022.

São três fatores que tiram a obrigatoriedade de os clubes cederem seus jogadores às seleções: se há um período obrigatório de quarentena ou auto-isolamento de pelo menos cinco dias após a chegada; se há restrição de viagem; ou se uma isenção específica das autoridades competentes em relação às decisões anteriores não foi concedida aos jogadores de uma equipe representativa.

A Fifa ainda informou que "juntamente com as confederações e associações-membro, continuará monitorando a situação em relação às políticas de viagens e quarentena das autoridades competentes em relação aos próximos jogos internacionais".

Se não houver alguma das exceções estabelecidas pela Fifa, os clubes continuam sendo obrigados a cederem seus jogadores para as respectivas seleções nacionais. No protocolo de retorno do futebol, a Fifa aconselha qualquer seleção "ampliar o plantel de jogadores disponíveis enquanto estiverem em vigor as restrições relativas à pandemia de covid-19".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.