Ruben Sprich/Reuters
Ruben Sprich/Reuters

Fifa critica Centro Nobel da Paz após fim de parceria no futebol

Entidade declara que faltou fair-play para a organização

Estadão Conteúdo

16 de junho de 2015 | 10h48

A Fifa criticou nesta terça-feira o Centro Nobel da Paz declarando que faltou fair-play para a organização ao encerrar a parceria e anunciar o rompimento através da imprensa. A entidade que gere o futebol está "relutante em aceitar esta decisão unilateral" dos organizadores do Prêmio Nobel de deixarem o projeto "Aperto de Mão pela Paz".

"Esta ação não encarna o espírito do fair-play, especialmente porque ela obstrui a promoção dos valores fundamentais da construção da paz e da antidiscriminação", afirma a entidade, um dia após a instituição responsável pele organização e distribuição do Prêmio Nobel "encerrar a cooperação com a Fifa".

Na última segunda-feira, ao anunciar o rompimento o Centro Nobel da Paz não apresentou nenhuma razão para isso, embora a Fifa esteja implicada em investigações de corrupção pelas autoridades norte-americanas e suíças.

Na semana passada, a Interpol suspendeu as relações com a Fifa, e o Vaticano pôs fim a um projeto de caridade com a Conmebol, gestora do futebol na América do Sul e que tem que vários dos seus dirigentes envolvidos no escândalo.

De acordo com o acordo fechado entre a Fifa e os organizadores do Prêmio Nobel, cada partida seria iniciada por um aperto de mãos entre os capitães das duas equipes, simbolizando um esforço pela paz e um projeto pessoal de Joseph Blatter, presidente da entidade. Em troca, a Fifa destinava US$ 1 milhão aos noruegueses.

O fim do acordo, selado na última segunda-feira, é mais um exemplo de uma série de parceiros e entidades que vêm abandonando a entidade máxima do futebol diante dos escândalos de corrupção.

Assista ao vídeo: Como funciona o esquema de corrupção na FIFA

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaCentro Nobel da Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.