Fifa deixa punidos jogarem na seleção

A Fifa informou nesta quinta-feira que os jogadores suspensos pela Federação Italiana de Futebol, no caso dos passaportes falsificados, só poderão participar de partidas por suas seleções, durante a vigência da punição. Estão proibidos de atuar em qualquer outra competição de clubes do mundo. A medida beneficia jogadores como o goleiro brasileiro Dida e o atacante uruguaio Recoba, que poderão jogar as Eliminatórias e a Copa do Mundo no ano que vem.Por outro lado, a Fifa determinou que os jogadores punidos por doping não poderão atuar nas seleções, o que deixa fora da Copa de 2002 jogadores como os holandeses Edgar Davids e Frank de Boer e o português Fernando Couto.A decisão sobre o caso dos passaportes põe fim a um impasse criado pela Fifa no dia 27 de junho, quando a Federação Italiana de Futebol anunciou a punição de 13 jogadores pela falsificação do documento, que era usado para que o jogador fosse inscrito no Campeonato Italiano como jogador da Comunidade Européia. A dúvida persistiu por duas semanas. Tanto que, Dida e Recoba jogaram a partida entre Brasil e Uruguai, domingo passado, pelas Eliminatórias da Copa.Além de Dida, outros seis brasileiros foram punidos pela Federação Italiana e agora, com a homologação da Fifa, está suspensos até o dia 30 de junho de 2002. Os envolvidos são Fábio Junior (Palmeiras), Alberto (Udinese), Warley (Grêmio), Jorginho Paulista (Vasco), Jeda e Dedé (ambos do Vicenza).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.