Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Fifa descarta investigar Ricardo Teixeira por propina e vê caso encerrado

Entidade avisa que inquérito passou por tribunal suíço em 2008 e nenhum dirigente foi acusado

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2010 | 09h47

ZURIQUE - A Fifa disse que descartou a possibilidade de analisar novas acusações feitas por um programa de televisão britânico de que três importantes dirigentes, incluindo Ricardo Teixeira, receberam pagamentos ilegais relacionados com contratos de marketing. "O inquérito e o caso estão definitivamente encerrados", disse a entidade.

Veja também:

link Senador diz que pedirá investigação de denúncia contra Teixeira

link COI pede à BBC provas contra dirigentes do futebol, após documentário

link Jornal suíço acusa Ricardo Teixeira de receber US$ 9,5 mi de propina 

O documentário apresentado pela BBC na segunda-feira acusa Ricardo Teixeira, presidente da CBF, Nicolas Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, e Issa Hayatou, presidente da Confederação Africana de Futebol, que são membros do Comitê Executivo da Fifa, de terem recebido recursos da ISL, antiga parceira de marketing da entidade, entre 1998 e 1999. O colapso da empresa com enormes dívidas, causou um julgamento por fraude.

A FIFA disse que o caso da ISL foi tratado por um tribunal suíço em 2008 e nenhum dirigente da entidade foi acusado de qualquer crime. "É importante ressaltar novamente o fato de que nenhum dirigente da Fifa foi acusados de qualquer crime, nesses processos. Além disso, é importante lembrar que a decisão foi feita sobre as questões que ocorreram antes do ano 2000 e não houve nenhuma condenação judicial contra a Fifa", disse a entidade, em nota oficial.

Teixeira, Leoz e Hayatou vão participar na quinta-feira da votação do Comitê Executivo da Fifa que definirá as sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022. Inglaterra, Rússia, Portugal/Espanha e Holanda/Bélgica tentam receber o Mundial de 2018, enquanto Austrália, Estados Unidos, Japão, Catar e Coreia do Sul disputam o direito de receber o evento em 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.