Fifa diz que atuação do Brasil contra alemães foi 'deplorável'

Entidade divulga relatório em que elogia o nível do mundial de 2014, no entanto afirma que seleção anfitriã ficou abaixo das expectativas

O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2014 | 10h32

Pouco mais de um mês após o final da Copa do Mundo, a Fifa divulgou relatório técnico nesta sexta-feira sobre o Mundial de 2014. Com 284 páginas, o documento possui análises do torneio como um todo, das 64 partidas, além de um resumo sobre as seleções das confederações, da arbitragem, relatório médico e diversas estatísticas.

No informe, chama a atenção a avaliação sobre o desempenho da seleção brasileira. Para a entidade, a equipe fez uma Copa abaixo do esperado. "Desde o princípio, os anfitriões do Brasil não convenceram. Seu jogo de ataque não funcionou como se esperava e na defesa surgiram problemas de coordenação. No entanto, a Canarinho superou a frase de grupos sem maiores inconvenientes. Contra o Chile, o anfitrião necessitou de nervos de aço e uma grandiosa atuação do goleiro Julio Cesar para se impôr na série dos pênaltis. Graças a uma melhores rendimento contra a Colômbia, a verde-amarela passou para as semifinais."

Porém, as críticas mais pesadas só podiam ser para o jogo contra a Alemanha, em que os organizadores chamam de atuação "deplorável". "Cabe dizer, no entanto, que na semifinal, o Brasil teve que jogar sem suas duas peças mais conhecidas: Neymar (lesionado e que não participou mais do torneio) e Thiago Silva (suspenso). Uma atuação deplorável contra a Alemanha despedaçou as esperanças brasileiras de conseguir o título em seu próprio País, e o anfitrião também não conseguiu se reabilitar na disputa do terceiro lugar".

Entre outros fatores, a Fifa elogiou o nível técnico da Copa realizada no Brasil e fez questão de exaltar a tecnologia na linha do gol, recurso utilizado neste Mundial que informava ao árbitro por meio de um bipe quando a bola tinha ultrapassado ou não a linha do gol em lances mais polêmicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.