AP
AP

Fifa excluirá Grécia se federação não revogar suspensão de Copa

País tem até dia 15 para retomar a competição nacional

Estadão Conteúdo

05 de abril de 2016 | 10h16

A Fifa deu um ultimato à Federação Grega de Futebol e às autoridades do país ao informar nesta terça-feira que estabeleceu o prazo de até o próximo dia 15 para que a suspensão da disputa da Copa da Grécia seja revogada. A entidade avisou que, caso isso não ocorra, os clubes e a seleção da nação serão excluídas das competições internacionais.

"O país será suspenso se até o dia 15 de abril não revogar a decisão sobre a Copa da Grécia", ressaltou a Fifa por meio de uma carta enviada ao ministro de Esporte do país, Stavros Kondonís, e à Federação Grega de Futebol. A carta foi noticiada pela imprensa grega.

No começo do mês passado, Kondonís suspendeu a disputa da Copa de futebol do país após um episódio de violência protagonizado por torcedores durante a semifinal da competição, entre PAOK e Olympiacos, no estádio Toumba, em Tessalonica.

O governo grego tomou a decisão depois que os torcedores locais do PAOK interromperam o confronto, já na reta final do mesmo, quando o time da casa perdia por 2 a 1. Na ocasião, diversos fogos e sinalizadores foram lançados das arquibancadas na direção do campo.

A polícia tentou impedir o ato da torcida, mas dezenas de torcedores decidiram invadir o campo para entrar em combate com os policiais. Tudo por conta de um pênalti que não teria sido marcado a favor do time da casa, em confusão que fez com que o árbitro desse o confronto por encerrado.

A própria Federação Grega de Futebol apresentou recursos contra esta decisão do governo junto ao Tribunal Supremo Administrativo grego, assim como acionou a Uefa e a Fifa para reverter a punição, mas a corte local informou anteriormente que só poderá analisar o caso no próximo dia 19 por causa de uma greve dos advogados do país.

Kondonís ressaltou que a suspensão da Copa da Grécia ocorreu por razões de ordem pública e que, enquanto os clubes e a federação de futebol gregos não estiveram em condições de organizar partidas com as condições de segurança necessárias, a competição não poderá ser retomada.

Em 30 de março, em Arenas, Kondonís se reuniu com representantes da Fifa, que admitiram que a suspensão da Copa da Grécia ocorreu por causa da violência dos torcedores. O futebol do país, por sinal, está sendo muito afetado por atitudes dos seus torcedores, por invasões de campo, por denúncias de manipulação de resultados e pela falta de confiança nos árbitros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.