Fifa e governo revisarão plano de segurança nos estádios

Governo e Fifa anunciaram nesta quinta-feira que terão de realinhar a operação de segurança da Copa do Mundo. Reuniões foram iniciadas já na última quarta-feira e, até esta sexta, um novo esquema será definido. "É vergonhoso o que ocorreu", declarou Ralf Mutschke, chefe de segurança da Fifa, em entrevista coletiva no Rio, ao comentar a invasão de torcedores chilenos ocorrida no Maracanã menos de uma hora antes do jogo entre Chile e Espanha.

JAMIL CHADE E MARCIO DOLZAN, Agência Estado

19 de junho de 2014 | 12h07

A entidade que controla o futebol mundial se recusou a dar detalhes sobre o que pode ser mudado no seu esquema de segurança nos estádios da Copa, mas garantiu que tal incidente como o de quarta-feira "não voltará a ocorrer".

Na ocasião, entre 150 e 200 torcedores chilenos invadiram a área de imprensa do Maracanã, quebrando paredes e causando confusão. Parte dos invasores chegou até a arquibancada, enquanto 88 foram detidos e serão deportados.

Antes da entrevista coletiva concedida por Ralf Mutschke, a reportagem apurou com uma fonte do alto da escalão da Fifa que a entidade transferiu a responsabilidade pelos fatos ocorridos no Maracanã ao poder público. Logo após o incidente, membros da entidade e do Comitê Organizador Local (COL) realizaram uma reunião de emergência, e a Fifa concluiu que Polícia Militar do Rio deveria ter evitado a invasão dos torcedores. "O perímetro de fora do estádio é de responsabilidade das autoridades", disse a fonte do alto escalão da entidade.

A reportagem apurou, porém, que o governo federal defende que há falta de vigias contratados pela Fifa em número suficiente nas portas dos estádios da Copa. No último domingo, o Ministério da Justiça e o Ministério da Defesa realizaram uma reunião com a entidade que controla o futebol mundial e o governo insistiu que uma solução precisaria ser encontrada para o déficit de seguranças nas arenas do Mundial.

A Fifa, por sua vez, avisou que está contratando novos funcionários para cuidar da segurança, depois de problemas terem ocorrido também em outros estádios que abrigam partidas desta Copa do Mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolFifasegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.