Divulgação
Divulgação

Fifa e Interpol discutem segurança a ser adotada durante a Copa do Mundo do Catar

Tema é motivo de preocupação na entidade máxima do futebol, que terá apoio do governo local e também das Nações Unidas

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2022 | 17h47

Segurança foi a pauta de uma conferência na qual fizeram parte o Comitê de Operações de Segurança e Proteção do Comitê Supremo para Entrega e Legado, neste domingo, em Doha, como preparativos para a Copa do Mundo do Catar, a ser disputada entre 21 de novembro e 18 de dezembro.

Com a intenção de delinear a prontidão do Catar para ser sede de um torneio seguro e promover uma maior cooperação entre os órgãos de aplicação da lei no país e em todo o mundo, o evento tem a participação de mais de 40 delegações representando os países classificados para o Mundial, além de representantes das Nações Unidas, Fifa, Ministério da Defesa, Ministério do Interior, Força de Segurança Interna, Interpol e Europol.

Estarão em análise uma visão geral do torneio, avaliação de risco de segurança, planejamento de segurança, procedimentos de segurança nas instalações do torneio, requisitos de segurança cibernética, comunicação e cooperação com parceiros internacionais.

O presidente do Comitê de Operações de Segurança e Proteção, Abdulaziz Al Ansari, disse, em seu discurso de abertura, que "a conferência é a realização de prolongados esforços de coordenação entre diferentes partes e conquistas de segurança que reafirmam o compromisso assumido de realizar a edição mais segura da Copa do Mundo até hoje".

O dirigente prosseguiu: "O Estado do Catar está pronto para sediar o maior evento esportivo do mundo. Nosso país goza dos mais altos níveis de segurança, reforçados por um serviço policial de classe mundial. O Catar ocupa o primeiro lugar em todos os indicadores de segurança global, incluindo uma taxa de criminalidade excepcionalmente baixa. Nossa capacidade de sediar eventos seguros de grande escala foi comprovada mais recentemente durante a pandemia do covid-19, onde conseguimos gerenciar com sucesso várias medidas de saúde e segurança simultaneamente”.

Helmut Spahn, diretor de Segurança da Fifa, também participou da abertura e destacou que o nível de integração e parceria alcançado com o Comitê de Operações de Segurança e Proteção da Fifa para a Copa garante que o torneio será entregue com os mais altos padrões de segurança.

Spahn confirmou que "a participação nesta conferência confirma a importância da coordenação e cooperação entre os órgãos internacionais de aplicação da lei".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.