Fifa elege hoje o melhor do mundo

A Fifa desfaz nesta segunda-feira, às 17 horas (horário de Brasília), a ansiedade que há mais de dois meses toma conta de Ronaldinho Gaúcho, Andriy Shevchenko e Thierry Henry. Os três astros internacionais são os finalistas ao prêmio de melhor jogador do mundo de 2004, a ser entregue em festa em Zurique, onde fica a sede da entidade que controla a bola no mundo. O Brasil concorre ainda em outras duas categorias - futsal (Falcão) e futebol feminino (Marta) - e já tem um troféu garantido, pois o carioca Thiago Carri, de 20 anos, venceu torneio de futebol virtual patrocinado pela Fifa.As apostas se dividem, e cada candidato tem pontos favoráveis. Ronaldinho Gaúcho, 24 anos e o mais jovem do trio que briga por coroação inédita, chamou a atenção pela temporada de dribles exuberantes, de passes desconcertantes e de alguns gols antológicos. Ele tem sido responsável por alguns dos mais belos lances dos últimos tempos e é um dos segredos da campanha vitoriosa do Barcelona, tanto no Campeonato espanhol (lidera com folga) como na Liga dos Campeões (está nas oitavas-de-final e terá o Chelsea pela frente). Contra o craque revelado pelo Grêmio, no fim dos anos 90, pesa o fato de não ser matador como seus concorrentes.O ucraniano Shevchenko, 28 anos, é o mais velho e também forte candidato. A regularidade o transformou em um dos pontos de referência do Milan, em que é titular incontestado. Por conta de seu desempenho e eficiência, a seleção da Ucrânia, com 11 pontos, lidera o grupo 2 das Eliminatórias Européias para a Copa de 2006. A primeira prova de reconhecimento veio no início da semana, ao levar a Bola de Ouro, prêmio tradicional oferecido pela revista francesa France Football.O francês Henry, 27 anos, foi fundamental para o Arsenal conquistar, invicto, o bicampeonato inglês, em 2003-2004. Artilheiro, sabe também abrir espaços para criação de jogadas de ataque. Além disso, é imprescindível na seleção de seu país. Desde setembro, no entanto, teve queda de rendimento, assim como sua equipe.O momento menos brilhante de Henry não terá influência alguma na premiação desta segunda-feira, na Ópera de Zurique. Como também os últimos gols de Shevchenko e dribles de Ronaldinho Gaúcho não modificarão o resultado da eleição. A Fifa sabe, desde setembro, quem é o vencedor do prêmio que criou em 1991 para dar ao craque de cada ano.Os votos de treinadores e capitães de todas as seleções do mundo foram recolhidos há meses. Depois da triagem prévia, sobraram os três finalistas. O mistério serve para aumentar interesse em torno da solenidade, que atrai público de todas as partes. A cerimônia poderá ser acompanhada ao vivo, também no Brasil, em transmissão do canal SporTV.Se a tradição contar, Ronaldinho Gaúcho e Shevchenko levam vantagem sobre Henry. Até hoje, só foram ?condecorados? jogadores que atuam na Espanha e na Itália. E, mais especificamente, quem veste a camisa de Juventus, Milan, Internazionale, Barcelona ou Real Madrid. O Barça, em particular, dá sorte para os brasileiros. Com as cores azul-grená, outros três "Rs" já foram lembrados: Romário, em 94; Ronaldo em 96 e 97 (com trocas de clubes no meio das temporadas); e por fim Rivaldo, em 1999.O Brasil é também o país que lidera nesse grupo seleto, com 5 títulos - o último com Ronaldo, em 2002, ano em que retornou ao futebol e em que se sagrou pentacampeão do mundo e artilheiro (8 gols) da Copa na Ásia. É também o único país da América do Sul a ter vencedores. A França está em segundo lugar, com um só representante, o extraordinário Zidane, que levou o tri em 2003. A África também teve só um ganhador - o liberiano Weah, em 1995.A festa na Suíça promete ser também uma manifestação de repúdio ao racismo. Houve vários episódios na Europa, recentemente, em que torcedores tripudiaram atletas negros. Incidentes como aqueles do amistoso entre Espanha e Inglaterra, em Madri, mereceram censura da União Européia de Futebol e também da Fifa."Os agressores deviam ser levados para dentro do campo e ser vaiados pelos outros", diz Joseph Blatter, o presidente da Fifa. "Além disso, deveriam ser proibidos de freqüentar os campos.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.