Fifa elogia Rússia e vê palco da final da Copa do Mundo adiantado

Fifa elogia Rússia e vê palco da final da Copa do Mundo adiantado

Inspetor da Fifa, Chris Unger afirma que construções e reformas no Luzhniki Stadium, em Moscou, estão à frente da programação inicial

Estadão Conteúdo

20 de outubro de 2014 | 12h33

A Rússia está evitando cometer os erros do Brasil. Essa foi a mensagem que os inspetores da Fifa deram nesta segunda-feira durante a visita aos estádios que o país está construindo ou reformando, sem atrasos até agora, para a Copa do Mundo de 2018. Mesmo que não tenham ocorrido grandes problemas durante a Copa do Mundo no Brasil, as obras dos estádios atrasaram, com alguns deles recorrendo ao uso de instalações temporárias durante o torneio.

Na Rússia, as coisas são diferentes, disse Chris Unger, inspetor da Fifa, nesta segunda-feira, quando ele visitou o Luzhniki Stadium, em Moscou, que sediará a final em 2018. "Como ouvimos hoje, eles parecem estar à frente da programação, o que é bom para todos, porque quanto mais cedo eles terminarem, mais cedo podemos começar os testes", disse.

No início de sua visita de cinco dias pelos estádios, Unger disse que a nova arena de São Petersburgo, com capacidade para 69 mil pessoas e que sediará uma semifinal em 2018, está no caminho certo para ser inaugurada em 2016 e sediar jogos da Copa das Confederações um ano depois.

Enquanto isso, uma disputa sobre a cobertura do Estádio Olímpico de Sochi foi resolvida, facilitando os preparativos. Unger disse que os inspetores foram informados de que a cobertura vai ser removida.

Mas se Unger focou a sua visita no futuro esportivo da Rússia, marcas do passado também estavam presentes. Do outro lado do Luzhniki Stadium, torcedores do Spartak Moscou deixavam buquês para lembrar o 32º aniversário do pior desastre esportivo da Rússia, quando, em 1982, ao menos 66 torcedores morreram em partida da Copa da Uefa. Unger também se recusou a falar de assuntos com conexão política, repetidamente se evitando comentar sobre os problemas da Rússia com o racismo nos jogos de futebol.

Ele defendeu a decisão da Fifa de enviar inspetores para três estádios concluídos, mas não a sete arenas que mal começaram a construção. Esses estádios, todos em cidades do interior da Rússia, receberão "inspeções virtuais" que Unger garantiu que serão rigorosas. "Não é algo que vamos embora dizendo: ''Nós vimos os planos, agora estamos satisfeitos''", disse. "É um processo. Voltamos, veremos que progresso foi feito, se os planos estão precisos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.