Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Fifa 'espalha' futebol na Olimpíada pelo Brasil com Manaus entre sedes

Engenhão é outra novidade e a Arena Palmeiras acaba excluída

JAMIL CHADE - CORRESPONDENTE EM GENEBRA, O Estado de S. Paulo

16 Março 2015 | 10h07

A Fifa e a CBF pressionaram e o torneio de futebol nos Jogos Olímpicos de 2016 será espalhado pelo Brasil. Numa reunião nesta segunda-feira na Fifa, em Zurique, a entidade estabeleceu sete estádios em seis cidades para o torneio, inclusive Manaus.

Fontes na Fifa confirmaram ao Estado que o esforço da entidade é o de demonstrar que os estádios erguidos para a Copa do Mundo, e alvo de muita polêmica, foram bons investimentos. Além da capital do Amazonas, os jogos ocorrerão em São Paulo, Brasília, Salvador, Belo Horizonte e em dois estádios diferentes no Rio de Janeiro: Engenhão e Maracanã.

Em 2016, portanto, o evento no Brasil terá um total de sete estádios, superando todos os campeonatos de futebol organizados pelo COI desde os Jogos Olímpicos de 1968. Na Olimpíada de 1964, o Japão usou oito estádios.

Se por meses o Comitê Rio-2016, CBF e Fifa negociaram um acordo, nos bastidores o interesse da entidade máxima do futebol foi sempre a de mostrar que o dinheiro público gasto nos estádios do Brasil valeu a pena. O Comitê Olímpico da Fifa é presidido por Marco Polo Del Nero, que assume a CBF no próximo mês. Foi neste contexto que a escolha de Manaus passou a ser considerada, apesar de uma resistência por parte do COI. Além da distância, a cidade está em outro fuso horário, o que poderia complicar a transmissão dos eventos.

Em Manaus, os times amazonenses tem evitado usar o estádio diante dos custos para os jogos do Estadual. A arena que custou R$ 670 milhões precisa de R$ 700 mil por mês em manutenção. Mas, entre o final da Copa do Mundo e fevereiro deste ano, o estádio recebeu apenas sete partidas e o prejuízo supera a marca de R$ 2 milhões.

ARENA PALMEIRAS

Com a escolha de Manaus, São Paulo acabou ficando com apenas uma sede e, também na lógica de usar as instalações da Copa, a opção final foi pela Arena Corinthians. Del Nero era um dos que chegaram a defender a ideia de incluir a nova arena do Palmeiras.  Sem saber o que ocorreria com o Engenhão, ele chegou a temer a falta de estádios para receber 58 jogos de futebol em pouco mais de duas semanas de eventos.

A opção pelo Morumbi foi também descartada. Em 2009, o Comitê Rio-2016 (Co-Rio) fechou acordo com o Morumbi para que fosse a sede do futebol em São Paulo. No ano passado, o Co-Rio chegou a indicar que, de alguma forma, pretendia respeitar o acordo com o São Paulo, que ficou fora da Copa do Mundo. Mas na lista final, o estádio não foi escolhido.

Uma atenção especial também será dada à Brasília, onde a falta de jogos no estádio Mané Garrincha levou o governo do DF a abrir mão de parte de sua burocracia para ocupar o local. Hoje, seu buraco é de mais de R$ 5 milhões. No Rio de Janeiro, o acordo foi o de manter o uso do Maracanã, mas também usar o Engenhão para jogos da primeira fase do torneio de futebol das Olimpíadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.