Arnd Wiegmann|Reuters
Arnd Wiegmann|Reuters

Fifa impõe 'austeridade' a cartolas após escândalos e déficit financeiro

Entidade fecha 2015 com um déficit de mais de US$ 110 milhões

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2016 | 18h07

Os carros pretos de luxo foram trocados por furgões. O hotel de extremo luxo substituído por outro com um caráter mais executivo. Reuniões e salários foram cortados, assim como a conta em restaurantes pela cidade de Zurique.

Fechando 2015 com um déficit de mais de US$ 110 milhões e na tentativa de convencer o mundo de que mudou, a Fifa passou a adotar políticas de maior austeridade. Nada de passar fome ou de dormir em um hotel que não seja cinco estrelas. Mas alguns dos hábitos mantidos por cartolas por décadas começam a ser cortados pela nova administração.

A meta ainda é atrair novos patrocinadores. Mas, para isso, a entidade precisa mostrar que não está esbanjando dinheiro no bem-estar dos cartolas, e sim destinando a verba ao futebol. Nesta semana, em apenas quatro dias de reuniões, a Fifa economizou US$ 120 mil com as novas medidas.

O primeiro corte foi no local de hospedagem dos dirigentes. Se por décadas o hotel usado era o aristocrático Baur au Lac, palco das prisões em 2015, agora a opção foi pelo Hyatt. O local continua sendo cinco estrelas. Mas sem a pompa quase monárquica do local preferido por João Havelange e Joseph Blatter.

Outra mudança: o fim dos carros para cada um dos cartolas, salvo no caso dos vice-presidentes da Fifa. Para ir e voltar de suas reuniões, dirigentes como Fernando Sarney e outros usavam uma vã que circulava entre o centro da cidade e a sede da Fifa.

Até mesmo os suntuosos jantares foram modificados ao ponto que, na quinta-feira, alguns dos antigos dirigentes ainda na Fifa chegaram a se queixar da qualidade do restaurante em Zurique para onde foram levados. Nos corredores, o comentário geral era de que a comida não estava "no padrão" que estavam acostumados.

Os novos dirigentes que, nesta semana, participaram pela primeira vez das reuniões da Fifa, não deixaram de se surpreender com a crítica que ouviram de seus "veteranos" sobre a comida.

REFORMA

Mas a reforma nos gastos da Fifa vai muito além de cortes superficiais. Das quatro reuniões tradicionais que ocorriam por ano com a cúpula da entidade, a nova administração reduziu os encontros para apenas três, sendo que um deles vai coincidir com a festa para dar o prêmio ao melhor jogador do mundo, em janeiro. Isso, na prática, economizará passagens para mais de 30 pessoas em primeira classe e todos os gastos de hotel.

Tanto Infantino como sua equipe também contam com salários menores que eram pagos a Joseph Blatter e sua administração, ainda que os padrões superem a marca de US$ 1 milhão ao ano. Das onze empresas que a Fifa mantém, duas já foram fechadas nesta semana e as restantes devem seguir o mesmo caminho.

"Temos de racionalizar os custos", afirmou Fatma Samoura, secretária-geral da entidade. "Queremos chegar em 2018 com um superávit de US$ 100 milhões", explicou. Segundo ela, porém, os patrocínios ainda não conseguiram ser confirmados para atingir esse objetivo. "Temos alguns buracos ainda", disse. Nas contas dela, a entidade ainda precisa fechar com empresas aéreas e bancos como patrocinadores.

"Não precisamos de tantos gastos para áreas que não são do futebol", disse Infantino. "Estamos sendo mais eficientes", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.