Fifa incluiu decepções do Brasil na lista dos melhores

A Fifa abre mais uma polêmica. Em sua lista publicada nesta sexta-feira dos melhores jogadores do Mundial até agora, a entidade máxima do futebol incluiu Ronaldinho Gaúcho e Adriano, astros que até agora estão apagados e não jogaram o que se esperava deles. Mas apesar de o Brasil ter a defesa menos vazada da competição, ao lado da Itália e de Portugal, entre os oito finalistas, a Fifa deixou de fora os zagueiros Lúcio, Juan e o goleiro Dida da lista dos melhores da Copa. Com 69 jogadores, a lista foi elaborada pelo Grupo de Estudos Técnicos da Fifa, comitê que conta com "especialistas" como o peruano Teófilo Cubillas, Roger Milla de Camarões e o inglês Roy Hodgson. Inicialmente, a proposta era ter uma seleção de 50 jogadores, mas a lista foi ampliada supostamente diante da qualidade do Mundial. A seleção final dos melhores do mundo será anunciada após as semifinais. Oito brasileiros fazem parte da lista: Cafu, Roberto Carlos, Kaká, Ronaldinho, Zé Roberto, Adriano, Ronaldo e Robinho. Os argentinos lideram a seleção, com nove indicações, entre eles os corintianos Tevez e Mascherano, além de Messi, Saviola e Crespo. A França, que neste sábado disputa uma vaga nas semifinais contra o Brasil, tem cinco indicados, entre eles Zidane e Henry. A equipe da casa, a Alemanha, também conta com cinco representantes entre os melhores. Entre os goleiros, são cinco os indicados: Jens Lehman (Alemanha), Gianluigi Buffon (Itália), Oswaldo Sánchez (México), Edwin van der Saar (Holanda) e Andreas Isaksson (Suécia). A lista de zagueiros conta com 13 indicações, entre elas o argentino Ayala, Espinoza (Equador), Rio Ferdinand (Inglaterra), Philipp Lahm (Alemanha), os italianos Gianluca Zambrotta e Fabio Cannavaro, Rafael Márquez (México), os portugueses Miguel e Ricardo Carvalho, além do espanhol Puyol. Trinta meio-campistas disputam o título de melhor da Copa, incluindo os argentinos Cambiasso, Riquelme e Maxi Rodríguez, o australiano Vince Grella, os ingleses David Beckham, Frank Lampard, Steven Gerrard e Joe Cole, o alemão Ballack, o italiano Pirlo e os portugueses Deco, Figo e Maniche, de Portugal. No ataque, 21 jogadores foram selecionados, incluindo o inglês Wayne Rooney, os alemães Miroslav Klose e Lukas Podolski, Cristiano Ronaldo (Portugal), Fernando Torres (Espanha) e o ucraniano Andrei Schevchenko.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.