REUTERS/Kai Pfaffenbach
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Fifa inicia a primeira fase de venda de ingressos para a Copa do Mundo no Catar

Mundial começa no dia 21 de novembro e ainda não tem todos os classificados definidos

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2022 | 11h31

A Fifa iniciou nesta quarta-feira a primeira fase da venda de ingressos da Copa do Mundo deste ano, que será realizada no Catar entre os dias 21 de novembro e 18 de dezembro. Na etapa inicial, disponível até 8 de fevereiro, os torcedores sinalizam o interesse de compra à entidade. Somente após o período de inscrição a entidade alocará os ingressos.

Os aprovados, parcialmente aprovados ou não aprovados serão notificados pela entidade até 8 de março, informando as datas das próximas etapas e o prazo de pagamento. Os valores variam de 40 riales catarianos (cerca de R$ 60, na cotação atual) até 5.850 riales catarianos (aproximadamente R$ 9 mil).

Não haverá diferença entre o momento dos pedidos. De acordo com a entidade, todos os ingressos serão reservados, buscando atender o maior número de pessoas. Em caso de mais entradas solicitadas do que a capacidade dos estádios, sorteios definirão uma lista de prioridade de compra.

Seguindo o protocolo dos três últimos Mundiais - África do Sul, em 2010, Brasil, em 2014, e Rússia, em 2018 -, os residentes do país-sede terão acesso a uma categoria de preço especial. Para esta Copa, moradores do Catar poderão adquirir ingressos a partir de 40 riais.

A solicitação deve ser feita no site fifa.com/tickets. A abertura da Copa do Mundo do Catar acontece em 21 de novembro, uma segunda-feira, no Al Bayt Stadium, em Al Khor. Para este jogo inaugural, que terá a seleção local em campo, as entradas custam a partir de R$ 1,7 mil.

A preocupação com o novo coronavírus é grande no país do Oriente Médio. Até o momento, o Catar registrou 630 mortes e 307.056 casos de covid-19 desde o início da pandemia. Além disso, 78,3% da população local já está vacinada. As informações são do monitoramento realizado pela Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.