Alexander Demianchuk/Reuters -20/1/2013
Alexander Demianchuk/Reuters -20/1/2013

Fifa investe no Brasil o dobro do que gastou na Alemanha em 2005

Com R$ 100 milhões, entidade espera aumentar a importância da Copa das Confederações

Jamil Chade - Correspondente, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2013 | 08h03

GENEBRA - Num esforço para transformar a Copa das Confederações em um dos principais torneios do mundo, a Fifa multiplicou seu investimento. Para o torneio que começa sábado, a entidade destinará cerca de R$ 100 milhões, duas vezes mais do que gastou em 2005, na Alemanha. Em 2009, na África do Sul, o valor chegou a R$ 68 milhões.

Esses recursos não incluíam a construção de estádios e infraestrutura. O dinheiro contabilizado é da própria Fifa para a operação do torneio e a premiação dos jogadores.

A Fifa já comemora o que chama de a maior Copa das Confederações já realizada. Serão quatro mil jornalistas credenciados e um recorde de vendas de entradas, ainda que apenas para o público local. 

LOBBY

A entidade organizou o torneio de uma forma diferente, fazendo lobby para que as seleções escalassem seus melhores times. O que pode comprometer o plano, no entanto, é o estado físico dos atletas. Entre os italianos não é mistério o desgaste da temporada. Na Espanha, os últimos amistosos revelaram astros com dificuldade para completar a partida. O técnico da Nigéria, Stephen Keshi, foi obrigado a convocar novatos, diante das baixas de titulares, como Victor Moses, Emmanuel Emenike, Joseph Yobo e Obafemi Martins.

"Certamente quem mais está valorizando o evento é o Brasil", afirma um membro do Comitê Executivo da Fifa e que pediu para não ser identificado.

Outra estratégia da Fifa foi chegar a um acordo com os clubes europeus para liberar seus jogadores. Desde 2005, a entidade aceitou realizar o torneio a cada quatro anos, e não a cada dois, como ocorria desde 1997. Com isso, a entidade conseguiu o compromisso de liberação dos jogadores mediante do pagamento de um seguro por dias cedidos, além de regras claras sobre os próximos amistosos.

Parte do esforço da Fifa ainda foi o de promover o evento no exterior, levando Ronaldo e o troféu em uma turnê pela Itália e Espanha. Mas o interesse do torcedor foi mínimo e o próprio presidente da entidade, Joseph Blatter, admitiu ao Estado sua frustração diante do baixo número de estrangeiros.

O último fator decisivo é a presença de grandes seleções como Uruguai, Itália e México. O torneio foi montado para que, se tudo correr bem, celebre o jogo mais esperado dos últimos anos em uma eventual final no Maracanã: Espanha, atual campeã do mundo e bi europeia, e o Brasil, maior campeão de todos os tempos.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa das ConfederaçõesFifafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.