Fifa investiga acusações de Stoichkov

A Fifa confirmou hoje a abertura de umainvestigação sobre as declarações do técnico búlgaro, HristoStoichkov, que ao término da partida entre Suécia e Bulgária (3 a0), em 3 de setembro, acusou o presidente da Uefa e vice-presidenteda Fifa, o sueco Lennart Johansson, de influenciar no resultado. "Johansson não esperou o fim do jogo e saiu quando a partidaestava 2 a 0, quando tudo estava claro. Ele demonstrou a todo mundo,mais uma vez, que não ama o futebol e que se interessa somente emganhar dinheiro", afirmou Stoichkov. O ex-jogador do Barcelona declarou que o resultado do jogo, quedeixa a Bulgária fora do Mundial da Alemanha, estava"predeterminado" e que, "quando o árbitro quer ser o centro dasatenções, é difícil jogar". "Talvez seja porque nós ganhamos da Bélgica há três anos",acrescentou, referindo-se à nacionalidade belga do árbitro Frank DeBleckeere, que apitou a partida e expulsou o meio-campo búlgaroBlagoj Georgijev aos 4 minutos do segundo tempo, quando a partidaestava empatada. "É um insulto ao futebol. Temos que parar a corrupção",acrescentou. Stoichkov disse que não entende como o presidente de umaorganização como a Uefa pode "sair de uma partida antes do fim"."Estou convencido de que não teria mudado nada. Até mesmo seestivéssemos ganhando, ele teria feito o mesmo, somente para noshumilhar", acrescentou. Lennart Johansson justificou sua saída do estádio antes do fim dapartida para ajudar sua esposa, que usa muletas, a sair do local. "Me incomoda muito que um homem em seu cargo possa fazercomentários como estes. Está dito. Estamos tratando com um bomjogador, mas com um líder muito inexperiente e um homem nadacuidadoso", afirmou Johansson. A Uefa anunciou hoje que recebeu um comunicado da Federação daBulgária em que pede desculpas a Johansson pelas declarações de seutécnico, que serão analisadas na próxima reunião do Comitê Executivodeste organismo. A Federação Búlgara disse não concordar com as declarações deStoichkov, mas confirmou sua continuidade à frente da seleção de seupaís.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.