Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Fifa investiga atleta da Croácia por vídeo exaltando a Ucrânia após classificação

Domagoj Vida teria feito mensagem política ao elogiar o país ao lado do ex-jogador Ognjen Vukojevic

Estadão Conteúdo

08 Julho 2018 | 10h18

A Fifa anunciou neste domingo que abriu investigação contra o zagueiro Domagoj Vida, da Croácia, por um vídeo gravado após a vitória sobre a Rússia nas quartas de final da Copa do Mundo, no último sábado. As imagens mostram o jogador, um dos heróis da classificação, dizendo o que poderia ser considerado uma mensagem política, algo proibido pela entidade: "Glória à Ucrânia".

+ Giroud minimiza jejum de gols pela França: 'Se eu for campeão, está ótimo'

+ À espera de semifinal, Inglaterra troca treino com bola por sessão de yoga

+ Técnico na Copa, Hierro recusa voltar a ser diretor e deixa a seleção espanhola

No vídeo, Vida aparece ao lado do ex-jogador Ognjen Vukojevic, atual membro da comissão técnica croata, dizendo esta mensagem. Ele ainda completa: "Esta vitória é para o Dínamo e a Ucrânia. Vai Croácia!".

Vida e Vukojevic jogaram juntos pelo Dínamo de Kiev, da Ucrânia. Atualmente zagueiro do Besiktas, da Turquia, o atleta garantiu que o vídeo foi apenas uma homenagem para seu ex-clube e o povo ucraniano. "Não há política no futebol. É uma brincadeira com meus amigos do Dínamo de Kiev. Eu amo os russos e eu amo os ucranianos", disse ao jornal Sport Express.

A Fifa, por outro lado, considerou que a atitude foi suficiente para abrir uma investigação. Isso porque a Ucrânia vive clima de tensão política com a Rússia, eliminada no sábado pela Croácia de Vida, desde que os russos anexaram a região da Crimeia dos ucranianos em 2014.

 

"A Fifa está processando diferentes relatos do que foi dito na partida, assim como potenciais evidências referentes ao conteúdo dito na mensagem. Por favor, entendam: até que tenhamos avaliado toda a informação disponível, não podemos fazer mais comentários", explicou a entidade.

Se considerar que a mensagem de Vida foi de cunho político, a Fifa pode multar e até suspender o jogador, que correria o risco de perder o restante do Mundial. Ele foi um dos heróis da classificação sobre a Rússia, ao marcar o segundo gol do empate por 2 a 2 na prorrogação, seguido de uma vitória nos pênaltis pelos croatas. Sua seleção volta a campo diante da Inglaterra na quarta-feira, em Moscou, na briga por uma vaga na final.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.