Fifa já pensa em editar manual médico

A morte de Serginho, além das tragédias com o jogador de Camarões Mark Vivian-Foe e do húngaro Miklos Feher, estão levando a Fifa a estudar a elaboração de um manual para todas as equipes e federações de futebol do mundo sobre como devem lidar com a saúde de seus atletas. Segundo a entidade máxima do futebol, um grupo de médicos da Fifa já começou a avaliar essa possibilidade e, nas próximas semanas, estará entrando em contato com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para apresentar a idéia. Assessores médicos da Fifa confirmam para a Agência Estado que estão "acompanhando de perto" as avaliações sobre Serginho, assim como sobre os demais atletas que morreram em campo nos últimos meses. O fenômeno tem assustado os especialistas, que tentam encontrar soluções para o problema. Na Fifa, uma das idéias é de reduzir o número de partidas disputadas anualmente por um atleta. Mas a elaboração de um manual médico iria além de questões burocráticas e exigiria que clubes e federações sejam responsáveis pela saúde de seus atletas. Por enquanto, porém, não se prevê qualquer imposição de medidas disciplinares para punir clubes ou federações que não cumpram com o futuro manual. Quanto à polêmica envolvendo o São Caetano, a Fifa faz de tudo para não mostrar envolvimento no caso. "O jogo estava sendo disputado em um campeonato nacional por times do país. Não podemos substituir à federação local e aos clubes. A responsabilidade pelas investigações não é nossa", afirma um porta-voz da entidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.