Fifa muda sistema de venda de ingressos da Copa-2014

Desesperada diante dos 800 mil ingressos encalhados para o Mundial de 2010, a Fifa decidiu rever sua estratégia para a Copa de 2014 e evitar que o Brasil repita o fracasso sul-africano. A entidade vive uma crise diante dos resultados pífios na venda de ingressos e da falta de turistas. Para o Mundial no Brasil, prevê uma reforma na forma de organizar o evento.

JAMIL CHADE, Agencia Estado

19 de fevereiro de 2010 | 14h25

Assim, a entidade voltará a vender ingressos diretamente aos torcedores, e não por meio de operadoras. A Fifa anunciou que vai dividir o Brasil em quatro regiões para evitar que, pelo menos nas primeiras fases, as equipes saiam dessas áreas. Isso permitirá que torcedores possam acompanhar as equipes sem cruzar o País.

"Temos de reconhecer que não funcionou a venda de ingressos para 2010 e que teremos de recomeçar tudo no Brasil", afirmou Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa. A 111 dias do Mundial, 72% dos ingressos foram vendidos (2,1 milhões dos 2,9 milhões colocados à venda) e só oito jogos estão com as entradas esgotadas, entre eles Brasil x Portugal, na primeira fase. A Fifa admite os valores são suficientes só para cobrir custos e que a renda esperada está 50% abaixo do previsto.

Os sul-africanos, que planejavam receber 450 mil estrangeiros, não devem atingir esse número. Na Alemanha, 2 milhões de turistas viajaram às sedes da Copa de 2006. Outro problema foi a recessão de 2009. "Foi certamente o pior momento para vender ingressos", disse Valcke. Na última quinta-feira, a Fifa não disfarçava o nervosismo com a situação do Mundial. "Temos de dizer a todos para irem à Copa. Agora é tarde demais para mudar", alertou o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

A Agência Estado obteve confirmações de que a Fifa pediu de volta os ingressos encalhados, que agora serão vendidos aos sul-africanos para tentar evitar estádios vazios. Também como medida de emergência, a entidade negocia com empresas aéreas, como a Emirates, para reduzir o preço de voos entre a Europa e a África do Sul, assim como entre Nova York e Johannesburgo, para tentar convencer mais torcedores a irem ao Mundial.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaingressosCopa de 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.